Professor universitário defende em sala de aula a prática da Farra do Boi em Florianópolis (SC)


Por Giovanna Chinellato  (da Redação)

A Associação Catarinense de Proteção aos  Animais (ACAPRA) recebeu dezenas de denúncias de alunos da Fundação de Administradores de Santa Catarina. O motivo foi a aula de “Ética e Responsabilidade Social” do professor Adelcio Machado dos Santos, que passou mais de 40 minutos defendendo a Farra do Boi, tentando convencer o quanto a “tradição” faz “bem” ao povo.

Ele defendeu que as crianças devem treinar desde pequenas em ovelhas e usou termos ofensivos ao criticar grupos que se opõem à barbárie. Metade dos alunos saiu da sala.

A Farra do Boi é proibida desde 1997 por um adendo à Lei Federal 9605/98, conquistado por meio de ação civil pública (recurso que parte da manisfestação do próprio povo).

Apesar dessa lei que exige um ano de detenção a participante ou autoridade que se omita a impedir a farra, ela continua acontecendo semanalmente na capital catarinense e em cidades vizinhas como Governador Celso Ramos.

A barbárie começa após horas de bebedeira, tarde da noite, em regiões de mangue e morro. Um boi comprado com dinheiro de todos é solto em uma roda de homens embriagados armados de paus e pedras que serão usados para bater no animal e perseguí-lo até a exaustão. O desespero do boi chega ao extremo de bater com a cabeça repetidamente em muros ou se afogar no mar numa tentativa de fuga.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

INSTINTO

VIDA NA RUA

RESPEITO E AFETO

FINAL FELIZ

TRISTEZA

PUNIÇÃO

MAUS-TRATOS

SEGUNDA CHANCE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>