Taubaté dá um grande passo rumo à ética ao impedir a volta dos rodeios


Angelica Monteiro
angelicamonteiropress@yahoo.com.br

Uma lição de cidadania e de união foi registrada no último dia 8, na Câmara Municipal de Taubaté (SP). A APATA – Associação Protetora de Animais de Taubaté fez sua parte mais uma vez. Isso ficou claro quando compareceu ao plenário com várias pessoas, numa manifestação contra o projeto de Lei complementar n*30, que alterava os artigos da Lei Complementar 205 de 25/10/2009, de autoria dos vereadores Henrique Nunes (PV) e Alexandre Villela (PMDB).

A proposta da vereadora Pollyana Gama (PPS) para que Taubaté voltasse a ter rodeios, além da alteração da Lei das Carroças (incluindo também, uma mudança de horário de circulação de carroças no município), soou como um imenso retrocesso. A possibilidade de tal projeto ser aprovado pelos vereadores do Município trouxe muita preocupação e indignação a todos aqueles, que lutam arduamente pelos direitos dos animais. Felizmente, após uma verdadeira chuva de emails (incluindo – se aí, entidades de peso como, por exemplo, o Fórum Mundial de Proteção Animal, e a WSPA – Sociedade Mundial de Proteção Animal, que englobam centenas de ONGs de proteção animal pelo Brasil afora), alertando que tal atitude seria, um grande e lamentável retrocesso, o projeto foi barrado pela Comissão de Justiça, composta pelos vereadores Chico Saad (PMDB), Luizinho da Farmácia (PR) e Antonio Mário (DEM), o que levou a vereadora voltar atrás na sua intenção e emitir uma nota esclarecendo que a apresentação da emenda (que não entrou em pauta), foi solicitação de representantes de Associação e membros de Sindicato que realizarão essas atividades de rodeio. O que quase ninguém diz é que rodeio é, na verdade, não um simples entretenimento inofensivo, mas sim uma prática lesiva e cruel, dificilmente colocada desse modo para a opinião pública, que acaba encarando-a apenas como prosaica diversão.

A APATA, uma entidade sem fins lucrativos com 30 anos de vida e de lutas em favor dos animais de todas as espécies, não tem nada contra a festa e os shows. O problema está justamente no “espetáculo”, que explora literalmente a dor, o sofrimento e a violência contra animais indefesos, que são subjugados sem dó nem piedade. Ou alguém acredita mesmo, que todos os bovinos e equinos se comportam da maneira bravia como nos são apresentados dentro de uma arena de rodeio, apenas por natureza/instinto?

Taubaté deu um grande passo na busca por noções éticas e sociais (assim como a proibição de circos com animais selvagens, que são literalmente massacrados visando apenas o lucro e mais nada) e, por que não, por uma melhor qualidade de vida, que passa antes por educar nossas crianças e jovens a terem consciência, consideração e consequentemente, respeito não só pelos semelhantes, mas principalmente, pelos mais fracos e indefesos. Isso sim gera cidadania numa comunidade, numa cidade, num país. Ainda bem que o bom senso prevaleceu mais uma vez. Rodeio em Taubaté? NÃO.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AÇÃO SOCIAL

AÇÃO SOCIAL

PRECAUÇÃO

ÍNDIA

ESTUDO

ÓRFÃO

ARTIGO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>