Cangurus vítimas da indústria da carne agonizam e morrem lentamente para servir ao consumo humano


Por Vanessa Perez  (da Redação)

Brian Sherman, co-fundador do grupo Voiceless, diz que a pressão do mercado de carne de canguru para os australianos esconde o lado obscuro da indústria.

Foto: Simon O'Dwyer

Solicitação de advogados da indústria do canguru, a fim de levar mais carne desse animal aos pratos dos australianos, ignora problemas graves associados a essa indústria. É o abuso de animais – institucionalizado – que está na base da troca comercial de carne de canguru.

A indústria da carne de canguru representa o maior massacre sustentado da fauna terrestre no mundo. Cerca de 3 milhões desses seres sencientes, altamente sociais e inteligentes são mortos no país a cada ano.

Ao contrário dos animais que são explorados e “produzidos” em fazendas, como vacas e porcos, os cangurus são baleados no mato por pessoas que vão a passeio ou por caçadores profissionais.

Em um número significativo de casos, os cangurus caçados por sua carne não são simplesmente mortos, mas gravemente feridos e deixados para morrerem lentamente e em agonia no mato. Além disso, os cangurus que recebem um tiro no corpo não podem ser explorados comercialmente para a carne. Essas pobres vítimas do tráfico são deixadas para morrer no campo.

Um animal jovem que não morreu junto à sua mãe, recebe, até a sua morte, pancadas na cabeça com um tubo de metal ou contra a barra de reboque do caminhão do caçador, ou são decapitados. A conduta chama isso de “eutanásia”. Como alternativa, uma vez que sua mãe está morta, o filhote é abandonado e deixado para morrer sozinho.

Para fornecer aos australianos só uma pequena porção de carne de canguru por semana, 22 milhões de cangurus teriam de ser massacrados por ano. A população total dos cangurus deveria ser de 151 milhões para suportar essa demanda. Isso é mais do que cinco vezes a média da população de 30 anos de 27 milhões, para fornecer uma porção de carne por semana a um australiano.

Como apontam Keely Boom e Ben Dror Ami, do grupo australiano de pesquisadores de cangurus THINKK, não se reconhece, devidamente, a sensibilidade dos animais selvagens e o fato de que essas criaturas, como nós, são seres conscientes, com a capacidade de perceber e sentir, e, no caso dos cangurus, com estruturas sociais complexas e fortes laços entre mães e filhotes.

O desrespeito pela vida animal, que anda de mãos dadas com o nível de interferência no ecossistema, é composto por falhas por parte da legislação e das políticas de proteção relativas aos cangurus.

Boom e Ben Ami discutem códigos e leis que regulamentam a indústria de cangurus, pois estes são “insuficientes para as exigências éticas dos cangurus como seres sencientes”.

Sua conclusão é clara: “A legislação vigente e a política são formas de crueldade contra cangurus adultos e jovens”.

A Voiceless tem trabalhado para resolver esse problema, apoiando a criação do grupo THINKK, e fornecendo financiamento para uma série de projetos relacionados aos cangurus, através do seu programa anual de subvenção.

As afirmações por parte da indústria, de que a carne de canguru é uma alternativa “verde” em comparação com a  carne de animais de produção “tradicionais”, não passam de mais crueldade para com os cangurus, em uma escala que supera a morte de outros animais selvagens que são assassinados nas indústrias mundiais.

Uma vez que eles saibam da verdade nua e crua, os australianos mais imparciais achariam o abuso contra esses animais difícil de digerir.

As informações são do jornal The Sidney Morning Herald.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

ARTIGO

DESACATO

GENTILEZA

DOR E SOFRIMENTO

EDUCAÇÃO

BENEFÍCIOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>