Neste domingo será realizada em SP a 1ª Parada Veg brasileira


Este ano São Paulo terá a 1ª Parada Veg. O evento, que conta com a participação de ONGs de defesa animal  e da Sociedade Vegetariana Brasileira, ocorrerá no dia 5 de dezembro, a partir das10h, com concentração na Av. Paulista, em frente ao MASP.

Idealizado pela ONG ConsciênciaVeg, a Parada Veg expande a Passeata Vegetariana realizada em 2009, incorporando novas ONGs ao evento e entrando definitivamente no calendário do ativismo vegetariano no Brasil.

O propósito da Parada Veg, segundo Christian Saboia, presidente do ConsciênciaVeg, “é apoiar o desenvolvimento da cultura de inclusão do vegetariano. Do ponto de vista prático, a Parada Veg se comunica com a sociedade demonstrando que os vegetarianos são um grupo com representatividade social, política e econômica”.

E completa, “são duas as demandas básicas do grupo para si: a inclusão prática dos vegetarianos com menos voz na sociedade, como por exemplo, as crianças em idade escolar. Isto se reflete também na oferta de produtos e serviços, inclusive oferecidos pelo setor público, e o direito de livre expressão de sua perspectiva ética, sem a habitual conotação de “diferentes ou sentimentais. Neste sentido, o pouco espaço na mídia convencional e na agenda pública refletem o quanto ainda há para se conquistar”.

Segundo a ONG organizadora, os vegetarianos representam aproximadamente 4% da população nas grandes capitais do Brasil. E a imensa maioria doss produtos e serviços destinados a este público não são exclusivos para este nicho. No mercado mundial, estes números são próximos, com exceção da Índia, onde o percentual de vegetarianos é estimado entre 20% e 42% da população, conforme dados da FAO. “Isto representa para o Brasil, com toda sua diversidade cultural e de recursos naturais, uma imensa oportunidade de negócios, atualmente muito pouco explorada” argumenta Saboia.

O setor público e a classe política começam também a prestar atenção aos Direitos Animais, principal bandeira dos vegetarianos éticos e motivo mais comum para a adoção da dieta, assim como à questão ambiental.

Segundo Christian Saboia, a não consideração da perspectiva ética dos vegetarianos e de suas consequentes demandas acaba por representar uma forma de discriminação prática, significando restrição de acesso (como por exemplo a alimentos, produtos de vestuários e serviços públicos) em diversas circunstâncias do dia a dia, o que por si só representa uma violência íntima.

O evento 

A organização do evento recomenda que as pessoas usem branco, como símbolo da paz. Se possível, usem também faixas de pano verde amarradas ao braço.

Após a caminhada até o fim da Av. Paulista, com nova concentração em frente ao Shopping Center 3, o evento será concluído com um período de silêncio em respeito aos animais vitimizados para servir de produtos de consumo para os humanos.

O convite é aberto para todas as pessoas e grupos. Sejam vegetarianos ou não.

O DIDA

Imediatamente após a ParadaVeg será iniciada a celebração do DIDA, Dia Internacional dos Direitos Animais. Organizada pela ONG Holocausto Animal, este dia é observado desde 2006, no Brasil.

O tema do DIDA deste ano, definido por Fábio Paiva, coordenador da ONG, é “Se você parar de comer carne, eles param de matar!”, e faz referência direta ao vegetarianismo ético como solução, tanto para a questão dos Direitos Animais quanto para a questão ambiental.

Criado pela ONG Inglesa Uncaged, o DIDA é observado em diversos países. A proposta de integração da Parada Veg com o DIDA foi bem vista pela ONG inglesa, como expresso por seu diretor de campanhas, Dan Lyons: “Penso que a ideia de unir a Parada Veg ao DIDA, com um período de silêncio, é muito boa e é preferível a uma abordagem mais agressiva, pois entendo que é mais persuasiva para os que ainda não são conscientes da causa animal. Afinal de contas, são essas pessoas que precisamos atingir”, argumentou Lyons.

Mais informações no site do ConsciênciaVeg.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

ARTIGO

DESACATO

GENTILEZA

DOR E SOFRIMENTO

EDUCAÇÃO

BENEFÍCIOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>