Performance com galos amarrados é cancelada após denúncia de defensores de animais


Há uma semana o artista plástico Victor de La Rocque apresentaria a performance Gallus Sapiens em Vitória. Não aconteceu. Ativistas e protetores dos animais acionaram a Delegacia de Crimes Ambientais da Polícia Civil que sugeriu ao artista a suspensão da instalação. Ele reagiu, disse que iria. Não foi. Melhor assim. A obra consiste em dezenas de galos vivos amarrados com barbante no corpo do artista. A isso ele chama de arte. Pode ser. A mim não cabe julgar. A discussão não é estética, mas ética e moral. E o que ele faz é crime.

La Rocque não é o único artista a explorar animais com o manjado intuito de chocar o público. Recentemente, em sua obra Bandeira Branca, Nuno Ramos manteve na Bienal de São Paulo três urubus vivos presos em um cercado sendo bombardeados com uma cacofonia sonora caótica produzida por mais de 50 alto-falantes.

O caso mais emblemático ocorreu em 2007, quando o artista plástico Guillermo Habacuc Vargas usou um cão de rua numa exposição na Nicarágua. O animal foi mantido preso por uma corda na galeria sem comida ou água.

Obras sensacionalistas que utilizam a exploração de animais não são manifestações artísticas, mas demonstrações de crueldade que se fazem passar por arte. Criticar obras de arte baseadas no sofrimento de animais não é um ato de repressão e censura. O artista tem o direito de se expressar do jeito que quiser. Mas esse direito cessa quando infringe sofrimento em outro ser.

O artista que se coloca acima da lei deve lembrar que a sociedade depende da imposição de limites às condutas que comprometem os valores que traçamos por razões válidas, como, por exemplo, proteger os vulneráveis contra danos gratuitos. Esses limites existem e estão expressos na forma de leis, como o artigo 2º da lei estadual 8.060 (Código de Proteção aos Animais); o art. 1º da lei estadual 9.399 (proíbe a exibição de animais em espetáculos circenses e similares); o art. 32º da lei federal 9.605 (Crimes Ambientais); e o art. 225 da Constituição Federal.

A exploração de animais nas artes não é consensual: os animais estão à mercê do artista. Animais não são coisas que podem ser postas a serviço da vaidade humana, como se já não bastassem tantas formas de exploração animal em nossa sociedade especista. Qualquer forma de arte que reforce a percepção equivocada de que animais são objetos destinados ao uso humano é nociva à formação de uma cultura de respeito a todas as formas de vida.

Ao aceitarmos que artistas reproduzam em suas obras valores de uma sociedade especista, segundo os quais animais pertencem a espécies inferiores e por isso podem ser subjugados ao nosso bel prazer, reafirmamos um tipo de cultura de exploração e dominação que não tem mais espaço no modelo de sociedade que o planeta precisa. A arte, sem dúvida alguma, tem muito a contribuir com essa mudança de paradigma. Por isso jamais pode se aliar à crueldade.

Maninho Pacheco é jornalista e ativista defensor dos animais.

Fonte: Gazeta Online


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>