Macaco Jimmy ainda aguarda decisão judicial


(Foto: Reprodução/Extra)

Enquanto 25 animais foram afastados do Zoológico de Niterói (Zoonit) na segunda-feira por, segundo o Ibama, falta de espaço e superlotação de jaulas, o destino do chimpanzé Jimmy ainda é incerto. Em maio, o Grupo de Apoio aos Primatas (GAP) impetrou um habeas corpus para que o macaco fosse levado a um santuário ecológico em Sorocaba, no interior de São Paulo. O processo está parado na mesa de um desembargador do Tribunal de Justiça (TJ) desde 29 de julho.

O GAP lamenta que o TJ ainda não tenha chegado a uma definição, e que o chimpanzé ainda esteja em Niterói. A assessora de imprensa do grupo, Jaqueline Ramos, diz não estar surpresa com o afastamento dos 25 animais do zoológico:

“Já havíamos sinalizado para esta falta de espaço. Muitos outros animais além do Jimmy são vítimas. A estrutura é muito precária.”

A presidente do Zoonit, Giselda Candiotto, garante que os animais têm o tratamento adequado no espaço oferecido. O Ibama acusa o zoológico de não cumprir um termo, que previa a construção de novas áreas para os bichos. Giselda alega que 70% das obras estão concluídas, e que a outra parte depende de mais verbas.

“É estranho que eles tenham levados para o Rio exatamente animais que estão em extinção. Eles querem tirar os animais daqui. E os bichos já estão acostumados, correm risco se forem retirados deste local”, aponta.

Na própria segunda-feira, o Zoonit entrou com uma medida cautelar na Justiça Federal de Niterói para reaver os animais perdidos. Mas ontem, o juiz reencaminhou a decisão para a Justiça Federal do Rio, já que o autor do processo está na capital. Segundo o órgão, ainda não há uma previsão para se resolver a medida cautelar.

Fonte: Extra

Nota da Redação: Por melhor que seja o ambiente proporcionado pela administração de um zoo, jamais será adequado às reais necessidades de qualquer animal. Privados de sua liberdade, autonomia e habitat natural, sua vida triste e sem sentido atrás de grades para preencher olhos humanos ávidos e curiosos está longe do ideal. Jaulas maiores ou mais bem cuidadas preenchem os pré-requisitos institucionais e legais, mas a lacuna existencial dessas vidas jamais será preenchida. O destino minimamente digno para todos os animais que hoje habitam os zoológicos são santuários – instituições que proporcionam um fim de vida isento de crueldade aos animais tão maltratados para entretenimento humano.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MOÇAMBIQUE

ÍNDIA

MINAS GERAIS

ESTUDO

CONSUMO CONSCIENTE

PROTEÇÃO

AMOR PROFUNDO

ÍNDIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>