Morre cavalo que agonizou por quase 24 horas no asfalto em Maringá (PR)


Moradores tentaram ajudar o animal doente, que morreu no asfalto após quase 24 horas de sofrimento. (Foto: Douglas Marçal)

cavalo mirrado e faminto estava caído no acostamento da Rua Monte Everest, em Maringá, morreu no asfalto depois de agonizar por quase 24 horas. O sofrimento do animal comoveu a vizinhança, que ao mesmo tempo ficou indignada com a demora no atendimento dos órgãos públicos.

Assim que o cavalo despencou na rua de terra, moradores trataram de procurar ajuda, já que o tutor do animal sumiu e ninguém o conhece. Dezenas de ligações foram feitas para Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Força Verde, organizações não governamentais e Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). O animal só foi socorrido e sacrificado depois de passar 22 horas gemendo de dor.

O cavalo estava caído do outro lado da rua, em frente à casa do funcionário público Durval Rodrigues. Ele e os vizinhos ligaram para o CCZ. Depois do telefonema, a equipe da prefeitura apareceu na Rua Monte Everest às 17h50 de quinta-feira, afirmando que poderia sacrificar o animal, mas que antes precisava localizar o responsável.

“Mas como é que eles vão achar o dono do bicho se ninguém sabe quem é?”, questionava Rodrigues. O CCZ prometeu voltar no mesmo dia, 15 minutos depois, mas ninguém apareceu.

A equipe alegou, segundo os moradores, que não tinha condições de remover o cavalo naquele momento porque não estava com os equipamentos apropriados.

O CCZ confirmou que atendeu ao chamado da vizinhança. Por telefone, os moradores disseram que o cavalo estava com as patas quebradas, mas não foi o que os oficiais da entidade constataram.

“Quando chegamos lá encontramos um animal ferido e desnutrido”, conta um deles. “Estava sofrendo muito e a única forma de livrá-lo da dor é a eutanásia.”

O empresário Antônio Lima, morador da Rua Monte Everest, relata como animal apareceu na rua: “Ele caiu no meio-fio e, sem força para se levantar, foi se arrastando até o outro lado da rua. Tinha que prender uma pessoa que faz uma maldade dessas.”

O cavalo, todo esfolado e coberto de moscas, debateu-se a noite inteira tentando se levantar. Queria sair dali, mas a fraqueza impedia a firmeza das patas. Rodrigues providenciou um cobertor para o bicho não bater os dentes de frio à noite e o resto da vizinhança deu água, capim, laranja, banana e alface.

Sem força até para esticar a cabeça e pegar a banana, os próprios moradores colocaram a comida na boca do cavalo. Rodrigues estava inconformado. “O discurso de cuidar dos animais é muito bonito, mas na prática é a minoria que segue a lei à risca”, critica.

“O sujeito usufrui do animal enquanto está saudável, mas depois que ele adoece o abandona.”

Dona Nair de Souza Toleto vigiou o bicho quase a manhã inteira e cortou capim do terreno baldio para dar de comer ao cavalo. “É um pecado ver o bicho agonizando.” Nair levou a neta Heloísa, de 3 anos, para ver o cavalo depois de muita insistência da criança. Ainda de pijama, a menina acariciou o rosto do animal. “Vó, ele tá dodói”, disse, baixinho.

O sofrimento do equino terminou por volta das 13 horas, quando a veterinária Evandra Maria Voltarelli e dois oficiais do CCZ apareceram. Evandra aplicou anestesia no animal e depois o medicamento que provoca parada cardiorrespiratória.

“Nos disseram que ele tinha um dono, mas não o encontramos. Nós fizemos a eutanásia porque o proprietário não apareceu e precisávamos abreviar o sofrimento dele.”

Uma multidão acompanhou com tristeza os últimos minutos de vida do cavalo. Comovido com o sofrimento do animal, o garoto Takeshi Medina, 13, encheu uma vasilha de água e despejou na boca do equino.

“É triste demais assistir a isso”, dizia. Depois de morto, uma retroescavadeira o recolheu e o despejou em um caminhão-basculante.

Fonte: O Diário


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE

TECNOLOGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>