Saiba como prevenir e tratar as doenças que podem afetar os animais


Foto: Reprodução/iTodas

“A partir da meia-idade, aproximadamente aos oito anos, cães e gatos estão mais propensos a ter doenças graves. Já os mais jovens costumam sofrer com as viroses”, explica a veterinária Ana Paula Madeira, da clínica geral do Hospital Veterinário Pompéia (SP). Assim como nós, eles também precisam de cuidados especiais. Com a ajuda de Ana Paula, listamos as principais doenças que afetam esses animais e mostramos como tratá-las. Cuide do seu bichinho!

Articulares

São doenças como a artrose e artrite, que são mais comuns em cães e gatos a partir da meia-idade, por conta do envelhecimento natural articular. Os sintomas são moderados no início e relacionados à diminuição da atividade física e relutância em passear e brincar.

Com o tempo, eles aumentam e pode chegar um momento em que o animal se recusa a levantar ou andar por causa das dores. Geralmente, essas doenças são tratadas com analgésicos, acupuntura e repouso.

Cardiopatias degenerativas

São doenças que afetam o coração e, assim como as articulares, ocorrem, principalmente, em cães e gatos mais idosos. Os sintomas podem ser percebidos, pois os animais costumam ficar mais cansados, ter dificuldades respiratórias e perder peso. O tratamento é feito apenas para proporcionar qualidade de vida ao animal e controlar a doença, pois não há cura.

Doenças metabólicas

A mais comum é a insuficiência renal, que costuma atingir os cães e gatos a partir da meia-idade. A doença pode ocorrer devido ao envelhecimento natural dos rins e é progressiva e irreversível. Entre os sintomas estão o aumento do consumo de água e a quantidade de urina. É uma doença grave e comum, mas pode ser cuidada com medicamentos e dieta adequada.

Câncer

De acordo com Ana Paula, o número de cães e gatos com câncer tem aumentado bastante. O tratamento para essa doença ainda é atrasado em relação à tecnologia humana, porém a veterinária afirma que os avanços têm sido consideráveis e já é possível curar esses animais, inclusive com quimioterapia.

Viroses

São as doenças que mais matam filhotes de cães e gatos. Podem ser transmitidas pelo ar e pelo contato com animais afetados. “Normalmente, são animais que vêm de canis e feirinhas e que não foram vacinados corretamente. As viroses são mais comuns em regiões onde o saneamento é precário”, explica Ana Paula. Como tratamento, os animais costumam ser incubados por alguns dias para reagirem ao vírus.

Como perceber que ele está doente?

O veterinário Wilson Grassi, diretor da Associação dos Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (SP), recomenda que o dono fique atento aos menores sinais de alteração comportamental do seu animal. “Comer menos do que de costume, vômitos, diarreia, dificuldades de locomoção e prostração são alguns sinais de que algo está errado”, alerta.

Previna e fique tranquila

Para evitar a descoberta de doenças em fase avançada, o ideal é levar seu animal de estimação ao veterinário para consultas de rotina, pelo menos uma vez por ano, e fazer todos os exames preventivos necessários.“Quanto antes um problema de saúde é identificado, melhor ele pode ser tratado. E só o veterinário pode avaliar a gravidade e aplicar o tratamento adequado”, explica Grassi.

Além disso, ele recomenda que sejam mantidas todas as vacinas em dia e não apenas a antirrábica (contra a raiva). “Durante a consulta, o veterinário deve falar das vacinas mais importantes, conforme a espécie e a idade do seu animal”, completa.

O veterinário Wilson Grassi dá algumas dicas simples de como deixar seu cão ou gato mais saudável:

– Separe um cantinho para ele dormir, protegido do frio e do calor excessivo.

– Mantenha a vacinação em dia – V10 para cães e V4 para gatos, além da antirrábica.

– Vermifugue seu animal a cada seis meses.

– Alimente-o na medida certa, com ração de qualidade, e deixe sempre água fresca à vontade.

Ana Paula completa que é preciso cuidar do animal, acima de tudo, com muito carinho: “Eles precisam viver de forma confortável, em um ambiente onde tenham espaço para se locomover e para brincar. Ao contrário do que alguns imaginam, principalmente em relação aos gatos, eles precisam de companhia e de atenção e não podem ficar confinados. Os tutores devem oferecer lazer aos seus cães e gatos e é importante que eles possam ter contato com outros animais, se socializem e se divirtam dentro ou fora de casa”.

Florais de Bach para os bichinhos

Os animais modernos têm sintomas parecidos com os seus tutores: ansiedade, estresse, medo, tensão, dores físicas e emocionais. O Rescue, um dos mais conhecidos florais de Bach, agora é vendido em versão pet, feita especialmente para os animais. Sem álcool em sua composição, a fórmula pode ser usada por várias espécies de animais. O floral ajuda a acalmar o bichinho, por exemplo, antes de uma visita ao veterinário, ou ajuda a vencer medo de barulhos altos, a se adaptar a mudanças, entre outros.

Ensine certo desde cedo

O livro “O Filhote Perfeito”, da britânica Gwen Bailey, ajuda os tutores de cães a criarem animais felizes, saudáveis e bem comportados. De acordo com a autora, apenas os filhotes que não foram bem socializados tornam-se cães agressivos, que podem morder simplesmente por estarem com medo de pessoas, outros animais e situações.

Com informações do iTodas


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

BOA AÇÃO

CHINA

HEROÍNA

FINAL FELIZ

PAUTA EMERGENCIAL

SOLIDARIEDADE

GESTO DE AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>