ONG de defesa animal responsabiliza a Sea World por morte de baleia


Por Helena Terra  (da Redação)

Recentemente, em San Rafael, Califórnia, o IDA (In Defense of Animals) acusou o SeaWorld por ter causado a morte de Sumar, uma orca de 12 anos que viveu uma trágica e nada natural existência como um animal de circo no SeaWorld de San Diego.

Foto: Reprodução/Care 2

Mais uma vítima das tentativas cruéis e incessantes de criar orcas para obter lucro, Sumar é o mais recente caso associado com a mortal prática de oferecer as orcas ao entretenimento do público e criar mais baleias em cativeiro submetendo-as a uma vida de miséria e morte prematura.

A vida de Sumar e sua família em cativeiro é repleta de sofrimento. Sua mãe, Taima, que chegou a atacar Sumar enquanto filhote, morreu em junho deste ano no Sea World de Orlando após uma tentativa tortuosa de dar à luz . Taima tinha apenas 20 anos. O pai de Sumar, Tilikum, também no Sea World de Orlando, matou seu treinador em fevereiro passado, a terceira pessoa a ser morta por ele como resultado de sua vida em cativeiro e de ser explorado como o “carro-chefe” da Sea World.

“O cativeiro é o destino mais cruel imposto a esta espécie inteligente, socialmente complexa e oceânica”, declarou Scotlund Haisley, presidente da In Defense of Animals. “Ainda assim o Sea World continua a criar mais orcas com todos os riscos, o sofrimento e as mortes cruéis e desnecessárias que ocorrem como consequência da ganância humana por lucros às custas da exploração de seres inocentes.

Orcas em cativeiro morrem em geral décadas antes de sua expectativa de vida natural, vivendo em seu meio selvagem. Fêmeas vivem em torno de 80 a 90 anos e machos em torno de 50 a 60 anos. Sumar e Taima não passaram dos 20 anos de idade. O Sea World tenta esconder esses dados do conhecimento do público.

Como o órgão de administração atmosférica e oceânica nacional (National Atmospheric and Oceanic Administration (NOAA) continua a averiguar comentários públicos incluindo os da IDA, a IDA está cautelosamente otimista que as orcas possam ser poupadas da vida em cativeiro, e que programas de reprodução em cativeiro sejam banidos, levando a cabo sua exposição para o público.

“Se permitirmos que as orcas sejam criadas em cativeiro, seu sofrimento e morte prematura continuarão em conjunto com mortes e ferimentos de pessoas ao seu redor”, Haisley continua: “a conservação da ética marinha americana diminui quando sujeitamos baleias, golfinhos e toninhas a uma vida dentro de tanques e permitimos que parques de diversão tachem essas práticas como preservadoras e educativas.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MAUS-TRATOS

PROTEÇÃO ANIMAL

INESPERADO

ASCENSÃO

GRATIDÃO

INDEFESAS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>