Saiba como prevenir e identificar problemas articulares em cães e gatos


Fonte: Flickr/CC/adria.richards

Eles adoram correr, brincar e subir nos móveis da casa. E, na maioria das vezes, os tutores acham até bonitinho o comportamento dos peludos, afinal, eles estão se divertindo. Mas é melhor ficar atento com animais muito agitados, já que algumas atividades em excesso podem ser prejudiciais, sobretudo para as articulações dos cachorros.

Segundo o dr. Denis Prata, especialista em cirurgia ortopédica do Hospital Veterinário Pet Care, além do fator genético, a presença de piso liso e escadas na residência, além do sedentarismo ou excesso de exercícios também contribuem para os problemas articulares nos animais.

O médico explica que as atividades físicas devem ser escolhidas de acordo com o físico e idade do animal, de forma que bichos idosos, por exemplo, não sobrecarreguem suas articulações. Vale lembrar que até mesmo cães jovens podem ficar doentes caso estejam obesos ou pulem constantemente de escadas e móveis.

Fonte: Flickr/CC/jeffreyw

Renata Achkar, também veterinária do Pet Care, é especialista em fisioterapia animal e explica que as principais doenças articulares que acometem os cães são artrose, devido ao desgaste natural ósseo em pets idosos, displasia coxofemural, que causa dor, inflamação, atrofia muscular e alteração na estrutura óssea, e displasia de cotovelo, que leva uma instabilidade da articulação, dor e inflamação.

Ambos os especialistas orientam que os tutores fiquem atentos a sintomas como diminuição do apetite, apatia, dificuldade para levantar e sentar e dor ao toque. Eles lembram que nesses casos é importante procurar um veterinário especialista na área de ortopedia e fisioterapia para melhor atender o bichinho.

O diagnóstico acontece por meio da consulta feita a um médico, que fará exames complementares, como radiografias, tomografias e até ressonância. Descoberto o problema, o tratamento pode ser medicamentoso, com auxílio da fisioterapia, ou em casos mais graves, até mesmo cirúrgico.

Para finalizar, os veterinários reforçam que a prevenção é a chave para uma vida saudável. Eles explicam que, se possível, manter um piso rústico dentro de casa é uma das primeiras atitudes a tomar, já que assim, são evitados escorregões e quedas. Treinar o bichinho para que ele não suba no sofá, cama, etc, também é uma boa medida, além de, claro, manter uma alimentação equilibrada e rotina moderada de exercícios.

Fonte: Pet Mag


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ESTUDO

FINAL FELIZ

MIGRAÇÃO

EXPLORAÇÃO

APELO

LUTO

FLORIANÓPOLIS (SC)

SÃO PAULO

INOVAÇÃO

AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>