Empresa patrocina festa de crueldade contra os animais em Laranjal Paulista, SP


Yolanda Heller
yoheller@yahoo.com.br

A empresa Açovia Construtora, cujo slogan é “Pensando Ecologia” está promovendo crueldade e maus-tratos aos animais, pois  está patrocinando a 5a Prova do Laço em Dupla, marcada para os dias 24, 25 e 26 de setembro, no Rancho dos Amigos, em Laranjal Paulista (SP).

A prova consiste em submeter animais absolutamente  pacíficos e indefesos a uma perseguição, para depois serem laçados com brutalidade.

Proteste contra esse absurdo!

A Açovia Construtora – Construção em Estrutura Metálica e Concreto Pré Moldado
Endereço: Rodovia Marechal Rondon, KM 183, no Laranjal Paulista – Maristela
Fone/Fax: (15) 3287-5555
Site: http://www.acovia.com.br
Email: atendimentoacovia@acovia.com.br ou engenhariaengenharia@acovia.com.br

Sobre o “Laço em Dupla”

Trata-se de uma modalidade do rodeio que surgiu nos EUA como uma técnica que tinha como objetivo facilitar o trabalho dos peões.

A prática hoje é considerada um esporte, claro que de mau gosto. Um novilho é solto na arena e corre a toda, por medo de estar longe da mãe, em meio a um lugar desconhecido e cheio de pessoas gritando, enquanto dois marmanjos correm atrás dele feito feras.

Um dos laçadores é amavelmente chamado de cabeceiro, pois sua função é laçar a cabeça do filhote, ao passo que o peseiro é responsável por laçar os pés do animalzinho.

A perseguição é implacável, onde o público torce e se regozija com a destreza dos dois homens, como se fosse muito difícil laçar um animal amedrontado e ainda filhote. Mas, justamente por ser uma prática desigual em relação ao animal, porque é certeza de que será laçado não importa o quanto corra, existem categorias e penalidades, ou seja, os laçadores não podem cometer esbarrões nem sair dos lugares demarcados, como, por exemplo, correr antes de o bezerro romper a barreira, se não perde pontos. Assim como devem cumprir a prova antes do tempo estabelecido.

“Quando o bezerro rompe a barreira, o cabeceiro corre atrás dele em perseguição, maneando a corda, enquanto o peseiro segue um pouco atrás. O cabeceiro é quem laça primeiro e tem que acertar um dos três lugares permitidos: ao redor dos chifres e da cabeça e ao redor do pescoço”, como relata o site Sol Brilhando (www.solbrilhando.com.br), como uma verdadeira arte do horror.

Depois de enrolar o animal na corda, os laçadores esticam seu corpo, um puxa pela cabeça e o outro pelos pés, enquanto o bezerro grita e chora de pavor e dor.

Os equipamentos utilizados são confeccionados especialmente para o bem-estar dos laçadores, ninguém até hoje pensou na situação do pobre coitado que é laçado e torturado durante toda a competição. Se é que existe alguma forma de amenizar o pavor e a dor desse ser inocente que não seja acabar de vez com essas festas de crueldade contra os animais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>