Cientistas pedem que casco da tartaruga-de-pente não seja comercializado


Cientistas reunidos no Panamá, nesta sexta-feira (03), exortaram os países do mundo a se abster de usar a tartaruga-de-pente para obter produtos comerciais.

“Pedimos aos países que não utilizem o produto da tartaruga-de-pente para a comercialização interna”, disse Verónica Cáceres, secretária ”pro tempore” da Convenção Interamericana para a Proteção e a Conservação das Tartarugas Marinhas (CIT) que, durante três dias, reuniu cientistas de 15 países no Panamá.

É comum, sobretudo na América Central e no Caribe, o uso da carapaça da tartaruga por parte de moradores da costa e empresas turísticas para fabricar colares e outros artesanatos vendidos a turistas.

“Pensamos que os mesmos produtos que estão se utilizando da tartaruga-de-pente poderiam ser feitos de algum outro tipo de material”, disse Cáceres à AFP.

Das seis espécies de tartarugas marinhas que vivem nas águas do continente americano (oliva, tartaruga-de-couro, cabeçuda, tartaruga-de-pente e a tartaruga de Kemp), todas correm risco de extinção. A tartaruga-de-couro, a tartaruga-verde e a tartaruga-de-pente estão em situação mais crítica, segundo os cientistas.

A Convenção tentará incorporar Nicarágua e El Salvador e países do Caribe insular, como Cuba, Haiti, República Dominicana e Trinidad e Tobago para “harmonizar” políticas comuns na região, que tornem mais eficaz a proteção de uma espécie que pode fazer seu ninho em uma praia do México, e buscar alimento nas águas do Chile ou da Argentina.

A CIT entrou em vigor em 2001 como um tratado intergovernamental, ao qual pertencem Brasil, Argentina, Antilhas Holandesas, Belize, Chile, Costa Rica, Equador, Estados Unidos, Guatemala, Honduras, Panamá, Peru, México, Uruguai e Venezuela.

Com informações de AFP/Terra

Nota da Redação: Os animais não são matérias-primas, sejam eles espécies em extinção ou não, para virarem produtos comerciais. São vidas que assim como a nossa merecem todo o respeito a que têm direito. Se a sociedade parasse para  pensar o quanto é violento e cruel transformar vidas em objetos como bolsas, sapatos, casacos etc., estaríamos dando um  passo fundamental para  fazer deste planeta o tal mundo mais justo, mais pacífico, mais harmonioso que tanta gente fala mas que não contribui para tal.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSERVAÇÃO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

MAUS-TRATOS

HABITATS DESTRUÍDOS

OMISSÃO

ECONOMIA CIRCULAR

DEDICAÇÃO

TECONOLOGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>