Touradas: tradição ou traição?


Renato Pontual
pontualrenato@gmail.com

Recentemente, voltou à tona a discussão sobre a crueldade das touradas.
Fiquei impressionado (e feliz) em saber que a Catalunha aprovou uma lei proibindo tal evento àa partir de 2012. Confesso que me  espantou essa decisão. Lá,  as tradições são mantidas de modo ferrenho: têm sua própria língua, recusam-se a admitir-se espanhóis,  cometem atos de segregação contra estrangeiros de modo evidente.

Por outro lado, é de se louvar a capacidade de alguns catalães ilustres, a beleza da criação artística, Gaudi, Mirò, Josep Puig, Dali e Picasso (que embora andaluz, malaguenho, adotou Barcelona como seu lar por tantos anos). Quem conhece Barcelona fica maravilhado com o clima de “modernidade” e a efervescência cultural da região.

Sempre me perguntei como um povo tão impregnado de idéias criativas, de uma estética tão particular  pudesse também ser um dos grandes berços e sustentadores deste espetáculo de tamanha crueldade humana.

Depois de alguma reflexão, percebi que nós humanos temos o hábito equivocado de classificarmos  as coisas como boas e más;  de colocarmos em pacotinhos separados: isto é bom, aquilo não é. Isto faz com que muitas vezes criemos certos conceitos sobre o bem e o mal, que de tão genéricos, nos confunde. Tento explicar com aquilo que sempre tenho trabalhado, o processo criativo. Quantas vezes me deparei com pessoas citando o processo criativo, por sua direta associação com as artes, com coisas belas, com prazeres, como uma coisa maravilhosa, um dom, uma dádiva. Lembremos que o processo criativo é tão somente um processo, que pode ser bom ou mal: um estelionatário é muitas vezes, ao planejar um golpe, tão criativo quanto um grande compositor ou poeta! O ato criativo não dignifica os fins, assim como quase tudo em nossas vidas: haverá sempre o bem e o mal e os atos não podem servir de justificativa para o mal.

A “evolução” da nossa espécie, a nossa dita “inteligência”, deve servir para podermos avaliar a diferença entre o bem e o mal e ter a sabedoria de eliminar o mal e valorizar o bem.Pparece tão óbvio, mas muitas vezes os homens não percebem e continuam cegos diante de certos conceitos equivocados.

Fico pasmo quando vejo pessoas, ditas inteligentes, defendendo as touradas em nome de uma suposta “tradição”. Neste caso, repito que associou-se a ideia de “tradição” como algo bom, o que não é verdadeiro: há e houve tradições boas e más. As más, como parte de nosso desenvolvimento humano, certamente devem ser esquecidas ou, melhor dizendo, relembradas cenicamente para que as gerações futuras percebam o quão más eram e que não repitam os erros passados (aliás, esta é uma das funções importantes da “tradição”: contar histórias dos povos e culturas através dos tempos. Histórias nem sempre boas devem ser contadas para que não  esqueçamos o quanto fomos estúpidos).

Aos que defendem com ignorância e curta inteligência as “tradições”, independentemente de avaliarem seus atos e significados, proponho que voltem a outras, já extintas: queimar pessoas vivas em fogueiras, oferecer virgens aos deuses; entregar a própria mulher ao viajante que chega em nossa casa para uma noite de sexo, jogar nos rio os primeiros filhos( se estes nascerem do sexo feminino), oferecer a filha virgem ao rei antes dela casar-se, comer o cérebro de nossos inimigos…..

É impressionante que ainda existam certas “tradições”. E muitos daqueles que defendem a “tradição”  das touradas são contraditórios ao protestarem contra  o apedrejamento de mulheres “infiéis” no oriente, contra a amputação do clitóris, contra a automutilação como forma de obter o perdão “divino”….

Sim, são atos burros, primitivos e inaceitáveis numa sociedade que se diz “evoluída”.

As touradas, e todas as formas de competição na qual colocamos em jogo a vida de seres que não escolheram estar em risco, são estúpidas, burras, cruéis e primitivas. Como se vivêssemos ainda na Idade da Pedra, e nossos cérebros fossem pequenos como nozes: incapaz de perceber que a vida é um conjunto, e que todos os seres vivos têm o direito a ela, e tal direito deve ser respeitado até o limite da nossa própria sobrevivência. Matar por esporte não era hábito nem dos trogloditas de milhares de anos atrás!

Mantermo-nos defendendo algo que representa um absurdo tão grande é muito mais uma “traição” à nossa capacidade de pensar, de evoluir, de praticar o bem contra o mal, do que uma “tradição”. Estamos traindo a própria ideia de imaginar o ser humano como um ser inteligente.

Será que somos mesmo capazes de pensar?



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AVANÇO

COMPORTAMENTO

'SAVE RALPH'

ÍNDIA

REVOLTA

AÇÃO SOCIAL

MÉXICO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>