Flórida/EUA

Defensores de animais pedem investigação sobre a morte de elefanta explorada em circo e zoo

Por Lilian Regato Garrafa  (da Redação)

Elefanta Dondi, em uma de suas obrigatórias performances (Foto: Circus 4 Youth)

Um grupo de direitos dos animais está pedindo uma investigação sobre a morte do Dondi, a elefanta que atuou por anos no Flea World, em Sanford, e morreu em um zoológico de Massachusetts, EUA, na semana passada.

O grupo In Defense of Animals, que é contra a manutenção de elefantes em cativeiro, disse que a morte inesperada de Dondi, aos 36 anos, acende um sinal vermelho. Os elefantes asiáticos, como Dondi, que foi capturada em 1974 na Tailândia, têm uma vida natural de 60 a 70 anos.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

De acordo com o Orlando Sentinel, durante seis meses do ano Dondi vivia no zoológico em Massachusetts e na outra metade do ano realizava shows no Flea World, em Sanford. A elefanta morreu na quarta-feira (28).

(Foto: Circus 4 Youth)

O grupo alega que o habitat do elefante no jardim zoológico era inadequado para Dondi, consistia apenas em um círculo de terra, sem sombra ou piscina. Além disso zoos são ambientes totalmente inadequados a qualquer tipo de animais, principalmente “animais sociais por natureza”, como elefantes.

O treinador disse não saber o que causou a morte de Dondi, mas afirmou que ela havia parado de comer e ficou doente por duas ou três semanas, período em que ela não vinha fazendo performances.

“Ela tinha colite, uma inflamação do cólon, perdeu peso e tinham problemas de dente”, disse o adestrador.

O zoológico enviou amostras de tecidos para um laboratório e espera ter resultados em três ou quatro dias. Uma autópsia está sendo feita  na Universidade Tufts.

O grupo In Defense of Animals enviou uma carta solicitando ao Departamento de Agricultura dos EUA que investigue a morte do animal e pediu ao zoológico a liberação dos registros de saúde de Dondi.

Assista a uma das deprimentes apresentações da elefanta Dondi no circo:

Um domador obrigando animais a se humilharem em truques tolos sobre banquinhos ou forçando-os a desafiarem os próprios instintos básicos é um espetáculo medíocre. Os circos sem dúvida devem sobreviver como uma forma tradicional de cultura e espetáculo. Mas sem animais, domadores e jaulas. Retirar um elefante de seu habitat e colocá-lo em uma vida de sofrimento, maus-tratos e escravidão para faturar uns trocados a mais na bilheteria é inaceitável. Uma sociedade civilizada não pode permitir que isso continue a ser parte do show. Não é mesmo surpreendente a curta vida desses animais, alheios a tudo que lhes seria direito por natureza. Estudos comprovam que todos os animais sofrem em cativeiro.

Nos circos, os elefantes, em especial, são vítimas de abuso e maus-tratos, como estes:

– Antes de chegarem ao circo, passam por meses de tortura. São amarrados sentados, numa jaula onde não se podem mexer, para que o peso comprima os órgãos internos e cause dor.

– Levam surras diárias, ficam sobre seus próprios excrementos, até que seu “espírito seja quebrado” e passem a obedecer.

– Sofrem de problemas nas patas por falta de exercício, pois na natureza os elefantes andam dezenas de quilômetros diariamente.

– No circo, os elefantes permanecem acorrentados o tempo inteiro. Mexer constantemente a cabeça é uma das características da depressão causada pelo cativeiro.

Os elefantes são animais que vivem em grupos com papéis sociais definidos. São extremamente inteligentes. Ficam de luto pelos seus mortos e são capazes de reconhecer um familiar, mesmo tendo sido separados deles quando filhotes.

“Como fazer para conseguir a atenção de um elefante de 5 toneladas? Surre-o. Eis como”. (Frase de Saul Kitchener, diretor do San Francisco Zoological Gardens)

Você pode mudar esta realidade. Boicote circos, zoológicos e quaisquer espetáculos ou eventos de entretenimento que utilizem animais.

3 COMENTÁRIOS

  1. Tanto o circo quanto o zoológico são lugares horríveis para animais. Com tanta tecnologia, é muito mais interessante ver animais em documentários em seus habitats, agindo como eles verdadeiramente são do que ficar próximo de um animal estressado. Isso sem parar pra pensar no sofrimento desnecessário para toda uma vida.

  2. é impossível que alguém ao ler isso não se comova…não se sinta responsável de alguma maneira.
    Esses animais são subjugados, torturados e explorados até o seu dia de morte.
    Se o mundo se comove e busca justiça a tantos males (Aushwitz, Faixa de Gaza e países sem democracia), qual o motivo de não se fazer uma campanha mundial para término de circos e zoológicos? Que cartéis são esses que impedem uma ação contudente?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui