Parentes do acusado de assassinar Eliza Samudio autorizam sacrifício de cães


Zanone Manoel de Oliveira Júnior, advogado do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, um dos acusados do assassinato de Eliza Samudio, contou que a mãe e uma das filhas do ex-policial foram na manhã desta sexta-feira (23) à sede da Divisão de Investigações de Belo Horizonte para assinar um termo de consentimento para que dois dos cachorros de Bola – um vira-lata e um shar pei – sejam sacrificados. Segundo o advogado, os animais pegaram leishimaniose.

Dois cães, um vira-lata e um sharpei, devem ser sacrificados (Foto: Glauco Araújo/G1)
Dois cães, um vira-lata e um sharpei, devem ser sacrificados (Foto: Glauco Araújo/G1)

Ainda segundo o defensor, os outros oito rotweillers – dois adultos e seis filhotes – do ex-policial devem voltar para a casa do tutor, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte, ainda nesta sexta-feira. Oliveira Júnior contou que a autorização foi dada pelo delegado Edson Moreira, que preside as investigações do caso Eliza Samudio.

No início da manhã desta sexta, a Polícia Civil de Minas Gerais confirmou que os exames nos cachorros do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, foram feitos na quinta-feira (22). Peritos do IC (Instituto de Criminalística) realizaram a análise no Centro de Zoonozes de Belo Horizonte, na região norte da cidade, entre as 15h e as 17h da quinta.

A polícia investiga se os animais comeram partes do corpo de Eliza Samudio. Há a suspeita de que Bola tenha matado, esquartejado e dado partes do corpo da ex-amante de Bruno para os cães.

De acordo com o veterinário Fernando Pinheiros, consultado pela polícia sobre os exames que poderiam ser feitos nos animais, foi feita uma raspagem nos pelos do focinho e das patas dos cães para aplicar o luminol, material que identifica manchas de sangue. O veterinário afirmou que essas partes dos cães foram escolhidas porque são onde o cachorro mais se lambuza com sangue quando come carne.

Questionado se não havia se passado muito tempo após a suposta morte de Eliza Samudio para a realização do exame, Pinheiro disse que não há problemas.

“O exame com luminol pode ser feito até dois anos [após o incidente] que ainda detecta [sangue].”

A polícia não informou a data em que sairá o resultado dos exames.

Com informações do R7

Nota da Redação: Mais uma vez inocentes pagarão com a vida por um crime que não cometeram. Além de serem vítimas de crueldade, explorados como cães de guarda, viverem aprisionados em um canil, terem sido treinados para a violência e terem sido envolvidos em um crime, agora serão inescrupulosamente mortos com argumentos injustificáveis, sem a menor consideração por sua vida. A violência humana continua implacável. Mais crimes são cometidos para justificar outros crimes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RECIFE (PE)

RECOMEÇO

CONSCIÊNCIA

DESAMPARO

COVARDIA

APOIO COLETIVO

CONSCIENTIZAÇÃO

MISSÃO

SÃO SEBASTIÃO (SP)


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>