Cães de focinho curto têm mais probabilidade de morrer durante voo


(da Redação)

Desde que as companhias aéreas norte-americanas foram obrigadas, em 2005, a divulgar informações sobre óbitos de animais durante voos, já foram notificadas 122 mortes de cães nos últimos cinco anos. Todos os cães que morreram estavam sendo transportados como carga.

Observou-se no relatório divulgado, que os cães de focinho curto eram os que contabilizavam o maior número de mortos. Os buldogues ingleses representaram o maior número único de mortes (25). Em seguida, foram os pugs, com 11 mortes. Depois disso, foram golden retrievers e labradores, com 7 cada, seguidos de buldogues franceses (06) e American Staffordshire Terrier, com quatro mortes relatadas. Boxers, Cocker, Lulu da Pomerânia e Pequinês representavam duas mortes cada.

Os ossos da face e do nariz dos cães com focinho achatado são mais curtos. As narinas são muitas vezes mais estreitas e o palato é, normalmente, mais longo. Todas estas alterações estruturais fazem com que o animal tenha maior dificuldade para respirar.

No Brasil, a empresa aérea Gol não está permitindo embarque de cães da raça buldogue inglês em todo o país. Segundo a companhia, o motivo do cancelamento é decorrente da raça ter o focinho curto e a respiração ofegante, o que seria prejudicial nos voos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>