A nossa crueldade contada pela ciência


Em 1997, o escritor John Coetzee foi convidado pela Universidade de Princeton para apresentar as prestigiadas Tanner Lectures. Ele podia falar do que quisesse, já que o tema se referia à “compreensão do comportamento e dos valores humanos”. Surpreendendo todos, decidiu ler dois relatos sobre “La vita degli animali” [A vida dos animais] (Ed. Adelphi, 2000). A protagonista dos contos era uma escritora australiana chamada Elizabeth Costello, que era convidada por uma universidade norte-americana para falar do que quisesse. Surpreendendo todos, ela decidiu discutir sobre a vida dos animais.

A reportagem é de Piergiorgio Odifreddi, publicada no jornal La Repubblica, 25-06-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O que Coetzee fez com que se concluísse com o seu duplo imaginário nas Tanner Lectures, a propósito do uso dos animais como alimentação e experimentação, foi: “Estamos circundados por uma obra de degradação, crueldade e extermínio capaz de rivalizar com o que o Terceiro Reich foi capaz. Ou melhor, capaz de fazer com que ele pareça ser pouca coisa em comparação, já que a nossa é uma obra sem fim, capaz de autogeração, pronta a colocar no mundo incessantemente coelhos, ratos, frangos e animais com o único objetivo de matá-los”.

A vida dos animais é um livro poderoso, que, porém, persiste no pecado original de toda a literatura: narra histórias inventadas sobre seres imaginários que povoam um mundo de fantasia. Portanto, não pode produzir nenhum efeito significativo e duradouro sobre a vida de pessoas reais que vivem no mundo real. Não é por nada que o bioético Peter Singer (foto), que no livro faz coro a Coetzee, declara explicitamente: “Vocês dizem que sou antiquado, mas prefiro manter a verdade e a ficção bem separadas”.

A sua declaração é particularmente relevante, porque Singer é o autor do livro-manifesto “Libertação animal” (Ed. Lugano), publicado pela primeira vez em 1975 e recém republicado em uma nova edição atualizada pela editora Saggiatore. Um documento-verdade, justamente, que, longe de se limitar aos efeitos soporíferos das histórias-ficções, redespertou no mundo inteiro uma sensibilidade concreta com relação aos sofrimentos e aos direitos dos animais.

Como filósofo, Singer começa analisando as duas tradições ocidentais com relação aos animais. A majoritária, de exploração e domínio em nome da suposta superioridade humana, que a partir do Gênesis passa através de Aristóteles e Tomás de Aquino, para chegar até Descartes e Kant. E a minoritária, de respeito e empatia em nome do pertencimento comum a  árvores da vida, que remonta a Pitágoras e continua com Hume e Voltaire, para chegar a Bentham e Darwin.

Os capítulos fundamentais do livro são, porém, aqueles que jogam na cara das almas simples, que acreditam que amar os animais significa acariciar cães e gatos ou se horrorizar com as touradas e os massacres das focas, os dados e os fatos relativos ao uso de animais na experimentação e na alimentação. Em particular, Singer conta em detalhes as vidas, os sofrimentos e as mortes de campos de concentração que, a todo ano, os bilhões de animais (dez bilhões só nos EUA, uma vez e meia a população mundial!) são obrigados a sofrer, cuja carne e cujos produtos acabam em nossas mesas e nas nossas barrigas: frangos, bezerros, porcos, coelhos, perus, aves e peixes de um lado, e galinhas de ovos e vacas de leite do outro. Todos seres que, embora não falem nem rezem, no entanto sentem e sofrem e demonstram isso de maneira atroz a qualquer um que assuma a briga de ir visitar os lugares indecentes em que são amontoados e criados industrialmente.

Singer dedica quase toda a sua atenção ao problema ético levantado pelo uso dos animais, principalmente como alimentação, e toca só de passagem em dois aspectos que também são muito importantes. E talvez também mais convincentes, pelo menos em um mundo que é insensível à ética e à moral até com relação aos homens: muito menos com os animais.

O primeiro aspecto é econômico: para que possamos comer animais, eles devem comer vegetais. A maioria das plantações mundiais é, por isso, dedicada à produção das rações, com um gasto duplo. De eficiência, porque a energia do Sol armazenada pelas plantas é utilizada só indiretamente, por meio da carne que já a utilizou, em vez de diretamente, por meio dos vegetais. E de custo, porque os animais que comem os vegetais são obviamente mais caros do que os próprios vegetais. Dito com um slogan: “A carne vale menos do que os vegetais, mas custa mais”.

O segundo aspecto é biológico: o nosso intestino é longo, como o dos herbívoros, e não curto, como o dos carnívoros. O que significa, sobretudo, que não é a natureza que nos impõe que comamos carne, mas sim a cultura (se quisermos chamá-la assim). Mas significa também, e principalmente, que o nosso intestino não é adaptado para a digestão da carne, que de fato ali se detém por muito mais tempo e se decompõe muito mais profundamente do que os vegetais. O resultado é uma alta incidência de câncer de intestino grosso nas sociedades que comem muita carne, como as ocidentais, e uma baixa ou inexistente incidência naquelas que comem pouca ou nenhuma, como as africanas e as orientais. Por lei, se deveria também avisar os consumidores, assim como já avisam os fumantes, colocando este aviso nos produtos do açougue: “A carne mata”.

Sem o apoio dos testemunhos recolhidos no explosivo livro de Singer, os poderosos relatos de Coetzee seriam uma invenção literária vazia. À luz daquelas, adquirem, ao invés, um valor de denúncia processual. Deixemos a ele, portanto, a última palavra: aquela que ele disse no dia 22 de fevereiro de 2007, quando foi convidado para o congresso Sento, organizado pelo Voiceless (Sem Voz), um instituto australiano pela proteção dos animais. Desta vez, o escritor fez o contrário das Tanner Lectures de dez anos antes: não foi, mas enviou um texto próprio, que foi lido na abertura por um representante seu.

E a sua conclusão, sobre a qual nos fará bem meditar, foi: “Quando descobrimos que os nazistas tiveram a brilhante ideia de adaptar os métodos da criação industrial, inventados e perfeccionados em Chicago, ao massacre (que eles preferem chamar de trabalho) dos seres humanos, naturalmente gritamos de horror: que crime terrível tratar seres humanos como animais! Mas teria sido melhor se tivéssemos gritado: que crime terrível tratar seres humanos como engrenagens de um processo industrial! E esse grito deveria ter tido um adendo: que crime terrível, pensando bem, tratar seres vivos como engrenagens de um processo industrial!”.


Unisinos


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COMPANHIA

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>