Defensora dos ursos

Bióloga estuda pandas gigantes na China há 25 anos

A maior parte dos cientistas que pesquisam pandas gigantes passa meses a fio na floresta na esperança de ver um. A conservacionista chinesa Lu Zhi, de 45 anos, teve mais...

89

05/06/2010 às 09:22
Por Redação

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A maior parte dos cientistas que pesquisam pandas gigantes passa meses a fio na floresta na esperança de ver um. A conservacionista chinesa Lu Zhi, de 45 anos, teve mais sorte. Em menos de uma semana de seu primeiro estudo de campo na Faculdade de Biologia da Universidade de Pequim, Lu, então com 19 anos, viu três pandas. Nos últimos 25 anos, ela se notabilizou como a maior defensora desses ursos.

foto da bióloga segurando um bebê panda

Foto: Russell Mittermeier/CI

Lu entrou na faculdade aos 16 anos. Na época, só um professor tinha estudo de campo, Pan Wenshi, auxiliar do conservacionista americano George Schaller em pesquisas sobre pandas. Lu juntou-se a eles num trabalho que previa a contagem dos pandas em seu hábitat, a floresta de Qinling, oeste da China. A ideia era estudar como os ursos faziam a digestão do bambu e procriavam. O grupo descobriu que, ao contrário do que se acreditava, eles não tinham problemas de procriação no seu hábitat. “Em zoológicos os machos não sabem procriar, porque vivem isolados e os filhotes não aprendem observando adultos.”

Lu foi quem mais se aproximou dos pandas de Qinling. “Foi difícil, eles são tímidos, temem humanos. Eu os seguia pela floresta, tentava imitar seus chamados com a voz.” Uma das fêmeas, Jiao Jiao, permitiu à pesquisadora acompanhar de perto três gestações – na última, deixou Lu entrar na sua toca. “Por milhares de anos, os animais viram humanos como inimigos. Lá eu era um membro da família.”

A chinesa passou seis anos num rústico acampamento de madeireiros, sem eletricidade nos invernos rigorosos e muitas vezes sem cama. “Não tínhamos tempo para nos preocupar. À noite a única coisa em que pensava era qual seria a montanha a explorar na manhã seguinte.”

Ajudada por ONGs, Lu escreveu ao governo chinês, que, em 1995, declarou Qinling reserva nacional, preservando a floresta e os pandas da ação dos madeireiros. “Mesmo que eles não derrubassem os bambus, o tronco depende da cobertura vegetal para permanecer fresco e macio. E o panda não consegue comer o bambu endurecido.”

Fonte: Estadão

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.