Lutas sangrentas entre animais atraem centenas de pessoas sádicas, no Afeganistão


Por Raquel Soldera (da Redação)

O Afeganistão é um país que passou as últimas três décadas envolvido em várias guerras. A atual é causada pela milícia Talibã, cujo governo foi derrubado após a invasão liderada pelas forças americanas no final de 2001.

Paradoxalmente cansada das guerras sem fim que têm atingido o país ao longo de sua história, a cultura afegã promove a exploração e o sofrimento dos animais através da realização de rinhas.

Todas as sextas-feiras, dia de oração no islã, pouco depois do nascer do sol, lutas sangrentas entre pássaros, galos e cães são promovidas no parque central de Kabul, a capital afegão, e atraem centenas de pessoas.

Imagem: EPA

As rinhas foram proibidas no país de 1996 a 2001, durante o regime talibã, por serem consideradas anti-islâmicas. No entanto, a promoção do sofrimento dos animais atrai a população pelo fator econômico. Em um país cuja renda per capita é inferior a 500 dólares, um galo explorado em rinhas pode custar até 2.000 dólares. A população afegã pode não ter dinheiro suficiente para comer, mas não deixa de apostar nas lutas sangrentas promovidas.

“Eu nasci e cresci em uma guerra. Eu adoro assistir às lutas, é um bom passatempo”, conta Shafiqul Efe, de 26 anos.

As lutas não se limitam a aves, galos e cães. Com a chegada da primavera, é comum em áreas do norte do Afeganistão serem promovidos combates sangrentos entre camelos, ovelhas e até mesmo touros.

Muitas pessoas acreditam que essa “paixão” pelas rinhas deva-se à história de guerras vivenciadas nas últimas décadas. No entanto, uma população que se diz cansada de guerras deveria parar de promover sofrimento, crueldade e morte a seres indefesos, pois, enquanto esta prática persistir, será difícil encontrar a paz que tanto anseiam.

Com informações de European Pressphoto Agency


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RIO DE JANEIRO

ALTERNATIVA VEGANA

GENEROSIDADE

REABILITAÇÃO

EMPATIA

RECEPÇÃO

FINAL FELIZ

SEM FERIMENTOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>