Biólogas realizam trabalho inédito sobre macacos-prego em Apucarana (PR)


Um trabalho pioneiro realizado por ex-alunas de biologia da Faculdade de Apucarana (Fap) levantou dados inéditos sobre a única família de macacos-prego a sobreviver no Parque Ecológico da Raposa, em Apucarana, no PR.

httpv://www.youtube.com/watch?v=3ZUUvE-yXMM

Ariane Gouveia e Jéssica Abreu descobriram durante o Trabalho de Conclusão de Curso que 26 macacos-prego habitam o local. Elas também observaram que os animais suprem suas necessidades alimentares e espaciais. As duas alertam, no entanto, que esses recursos podem se tornar escassos à medida que a população dos primatas cresce. Por isso, as biólogas propõem a junção dos pequenos fragmentos de mata da unidade de conservação com árvores frutíferas. O objetivo é perpetuar a espécie no local.

Mesmo com essas limitações, Ariane e Jéssica reforçam que moradores do entorno não devem alimentar os macacos. “Pedimos que a população não venha alimentar os macacos senão eles perderão o instinto de procurar na mata e acabarão se deslocando para as residências vizinhas e invadindo as casas, destruindo pomares, revirando toda cozinha, e com isso acabam sendo considerados uma peste”, avalia Ariane Gouveia.

Elas também concluíram que o Parque da Raposa apresenta condições ambientais parciais para a sustentabilidade ecológica da população do macaco-prego. Para as ex-acadêmicas, o estudo foi fundamental para entender como contribuir com a permanência destes animais no espaço. “O intuito do trabalho era para saber também como estava sendo a interação da população com os habitantes do núcleo ao redor, pra saber como eles estavam se comportando dentro da mata, se eles estavam vivendo ou apenas sobrevivendo” comenta Jéssica Abreu.

A família de macacos estudada pelas apucaranenses é mais dócil que o natural devido à convivência com os moradores do entorno do Parque da Raposa. Apesar disso, as estudantes precisaram oferecer agrados como castanhas e bananas para ganhar a confiança dos animais. Mesmo após entregar o trabalho, Ariane e Jéssica ainda levam frutas para os macacos-prego. A intenção é aprofundar o estudo e fazer um mestrado sobre a espécie.

As duas desenvolveram o projeto juntas, mas cada uma analisou aspectos específicos. O trabalho feito pela Jéssica de Abreu se voltou ao tema “Ecologia Comportamental de macacos-prego no Parque Ecológico da Raposa, Apucarana- PR”. Já a Ariane Gouveia norteou seus estudos na “Estrutura e Dinâmica Espacial da População de macacos-prego no Parque Ecológico da Raposa, Apucarana – PR”.

Fonte: TNNEws


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

POLÍTICA PÚBLICA

RECOMEÇO

BANALIZAÇÃO

CAZAQUISTÃO

DESMATAMENTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>