Os animais continuam sendo cruelmente usados em experimentações


Investigadores e opositores ao uso de animais em experiências alertaram na véspera do Dia Mundial do Animal de Laboratório para a incipiente fiscalização aos locais de criação de animais para fins experimentais e às práticas dos cientistas em Portugal.

A falta de fiscalização leva a que, por vezes, experiências em que existem alternativas ao uso de animais continuem a ser feitas com recurso animal, sobretudo em experiências básicas que não se destinam a comprovar hipóteses colocadas pelos cientistas, defendeu Constança Carvalho, da Plataforma de Oposição ao futuro Biotério de Azambuja, um projeto da Fundação Champalimaud.

O Dia Mundial do Animal de Laboratório assinala-se no sábado (24) para recordar os milhões de animais que todos os anos são utilizados e mortos em experiências científicas. Em Lisboa, o dia será marcado com uma marcha contra a construção do biotério da Azambuja, um projeto das Fundações Gulbenkian e Champalimaud e da Universidade de Lisboa que prevê a instalação de dezenas de milhares de jaulas para animais destinados à investigação científica.

Com informações de Destak

Nota da Redação: É absurdo, é revoltante, é amoral, é inaceitável que a ciência continue usando cruelmente animais em pesquisas. A tecnologia e o conhecimento deram passos gigantescos nas últimas décadas, falta apenas que a ética seja considerada fundamento principal da ciência moderna.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA

AÇÃO HUMANA

JAPÃO

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO SONORA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>