Especialista em comportamento de lobos busca protegê-los da extinção



Foto: Divulgação

O britânico Shaun Ellis tem uma profissão incomum: especialista em comportamento de lobos. Não bastasse a peculiaridade do trabalho, ele ainda conduz pesquisas de forma controversa: optou por viver ao lado dos lobos, como se fosse um deles, por um longo período, a fim de entender melhor como vivem esses animais e também para ajudá-los diante da ameaça da extinção.

 A partir de 2005, ele passou dois anos em meio a uma alcateia no Parque de Vida Selvagem Combe Martin, no Reino Unido. Seu objetivo era ensinar três filhotes órfãos de lobos canadenses a sobreviver na reserva natural. Para isso, se alimentou e dormiu com os lobos, sem qualquer contato com humanos, até sentir que fazia realmente parte do mundo dos animais. “Acredito que os lobos têm segredos a serem compartilhados. E eles confiaram em mim o suficiente para dividi-los comigo”, afirma. A experiência resultou no livro The Man Who Lives With Wolves (O homem que vive com os lobos), escrito em parceria com o jornalista Penny Junor. Na entrevista a seguir, Ellis fala sobre a aventura e defende que o estudo do comportamento dos lobos pode ensinar algo aos seres humanos.

Quando surgiu sua paixão pelos animais selvagens?

Ela começou cedo. Cresci no campo, em uma fazenda, onde tinha contato com muitos animais. À medida que fui crescendo, trabalhei com outras espécies selvagens. Comecei estudando raposas: esse foi o início de tudo. Só depois passei a me interessar profundamente pelos lobos. Vivi por anos numa tribo americana, no estado de Idaho (EUA), onde aprendi muito sobre esses animais, e nunca mais parei de estudá-los.

Foto: Divulgação

Viver entre os lobos é a melhor forma de estudá-los?

Acredito que existem diferentes formas de se descobrir informações sobre os lobos. Muitas pessoas trabalham com a observação, como os biólogos e os ambientalistas. No meu caso, é importante me juntar aos lobos e viver entre eles. Os pesquisadores trabalham de formas diferentes, de acordo com sua especialidade, mas nós só seremos capazes de ajudar essas criaturas a dividir o nosso mundo e começar uma comunicação com eles se conseguirmos compartilhar o que há de diferente em cada disciplina: a biologia, o estudo comportamental, a ecologia.

Seu trabalho é considerado controverso pelos outros especialistas?

Sim, os biólogos, por exemplo, têm problemas em entender o jeito com que eu trabalho. Para eles, os lobos não deveriam conviver com humanos, nem sequer vê-los. Quando fui viver entre os lobos, me tornei um membro de sua família –outros pesquisadores se manteriam distantes. Porém, se eu não interferisse e não tomasse decisões pela matilha, eles não veriam tudo o que os humanos têm para oferecer a eles. Além disso, como outras criaturas, os lobos não dividem seus segredos facilmente, a não ser com sua própria alcateia. O que fiz foi me tornar parte dessa família e conhecer de perto esses segredos, para tentar ajudá-los.

Há casos de pesquisadores que se propuseram a viver entre animais selvagens e foram mortos por eles. O documentário O Homem Urso, por exemplo, de Werner Herzog, mostra a trágica história de Timothy Treadwell, que, após viver 13 anos com os ursos, foi engolido por um deles, em 2003.

É sempre trágico quando ocorre algo como os acidentes com Treadwell e Steve Irwin (naturalista australiano morto por uma arraia em 2006). Mas, por mais que eles tenham tido esse triste fim, ninguém nunca chegou tão perto dos animais quanto eles chegaram. Quando a pessoa dá sua vida por uma boa causa, temos que honrá-las e, claro, tirar proveito de suas pesquisas. Irwin dizia que só é possível ajudar os animais estando ao lado deles. Eu gosto de seguir sua filosofia. Acho admirável quem sacrifica a vida para tentar ajudar os animais.

Foto: Divulgação

Em algum momento o senhor sentiu medo de estar entre lobos?

Nos estágios iniciais, eu tinha um medo natural de ataques nas noites de lua cheia e de todos esses mitos e lendas que fazem com que os lobos pareçam mais perigosos do que eles realmente são. Conhecendo os animais mais profundamente, encontrei algo totalmente diferente do que já tinha sido dito sobre os lobos. Posso até dizer que a maior parte do que é dito sobre eles não é verdadeiro.

O senhor fez uso de equipamentos de segurança para evitar situações perigosas?

Não. Depois de conversar com muitas pessoas, decidi que iria completamente “nu”: sem equipamentos de segurança, wi-fi ou comida cozida. Queria que os animais se aproximassem de mim, e não que eles vivessem do meu modo. Foi preciso acreditar nos animais e me infiltrar em uma outra família.

O senhor acha que de fato conseguiu penetrar no mundo dos lobos?

Acredito que os lobos têm segredos a serem compartilhados. E eles confiaram em mim o suficiente para dividi-los. Graças à sua educação, conhecimento e disciplina, eles me deram muitas informações. O meu papel é dividir esse conhecimento com outras gerações e incorporá-los no nosso mundo.

Como foi se alimentar como os lobos?

Demorei um tempo para me acostumar. Se nós, homens, somos o que comemos, o mesmo acontece com os lobos. Além do lado nutritivo, o que eles comem interfere no cheiro de seus corpos e no reconhecimento dos membros por parte da família. Para mim, foi uma das coisas mais importantes seguir o mesmo cardápio deles, para me manter seguro na matilha. Parece discutível para quem está de fora, mas, quando se está num ambiente muito frio (a temperatura chegava a -20° C), onde achar comida é tão difícil, a carne crua parece apetitosa, pode acreditar. Nosso corpo se prepara aos poucos para os novos hábitos. Nunca estive tão saudável como quando estive com os lobos.

O senhor acredita que sua experiência trouxe aplicações para outros estudiosos?

Espero que outros pesquisadores façam uso das técnicas e do meu aprendizado para seus estudos, não só sobre lobos, mas qualquer outro animal que também precise da nossa ajuda. Mas é importante levar em conta que não somos “masters” em seus mundos. Os lobos aceitaram viver comigo durante certo período de tempo porque me disponibilizei a aprender a estar ali. Os animais, particularmente os lobos, vivem de acordo com valores ultrapassados: confiança, equilíbrio, coisas de que todos nós precisamos. Não podemos levar obstáculos a eles, mas fazer com que os animais nos respeitem. Para isso, é preciso respeitá-los e viver em harmonia com eles.

O senhor se submeteria novamente a uma experiência parecida?

Boa pergunta. Agora que tenho 45 anos, estou em um ritmo mais lento, sou menos capaz de aguentar o frio e o mundo dos lobos. Talvez seja hora de dar aos mais jovens a oportunidade e as informações suficientes para que eles deem continuidade a esse trabalho.

Como pessoas que não têm especial interesse por lobos podem se beneficiar de seu livro?

O lobo pode ser interessante para qualquer pessoa: quem gosta e quem não gosta deles, quem tem cães domésticos ou não. Basta dar crédito ao que podem nos oferecer: eles são nossos professores supremos. Na minha opinião, a maior lição que podemos aprender deles é o valor de suas famílias. Na Inglaterra, temos problemas em socializar nossas crianças. Acredito no poder dos princípios dos lobos para a criação dos nossos jovens. O livro pode fazer com que as pessoas olhem para a vida de uma forma diferente.

Fonte: Veja





Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA

AÇÃO HUMANA

JAPÃO

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO SONORA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>