Construtoras chilenas pagam para que cães sejam abandonados e mortos


Por Raquel Soldera (da Redação)

O motorista de caminhão da construtora Urbaniza S.A., provavelmente hoje não tenha mais emprego e faça parte da lista de desempregados no Chile. Tudo porque foi incapaz de cometer um ato cruel e desobedecer as ordens da empresa, de jogar dentro de um rio os animais que durante semanas foram tratados com carinho e alimentados pelos trabalhadores da construtora.

Durante a viagem de San Bernardo a Buin, a consciência do motorista falou mais alto, e ele desviou seu trajeto para a delegacia. Os policiais ouviram o relato com espanto, enquanto os animais permaneciam trancados dentro do caminhão, sem saber que a vontade e a coragem desse homem estava mudando seus destinos.

São cerca de 20 cães que permaneceram “abrigados” em uma construção civil da empresa Urbaniza, em San Bernardo.

Foto: O Globo
Foto: O Globo

Organizações da sociedade civil, a prefeitura e autoridades locais, analisam as ações legais a serem tomadas, enquanto o destino dos animais ainda é incerto.

O abandono de animais não é especificamente penalizado pela legislação chilena, no entanto, uma correta interpretação do maltrato animal presente nos termos do artigo 291 do Código Penal deveria condenar essa prática, visto que o abandono caracteriza maus-tratos ao animal. Além disso, deveria ser configurado o crime de dano ambiental e violação das legislações municipais em vigor.

O ato cruel e desumano de pagar para que indivíduos sem escrúpulos recolham animais e os abandonem nas comunidades periféricas de Santiago estava sendo investigado por vários grupos de proteção animal. A investigação incluia empresas que consideram o extermínio dos animais um “controle de pragas”, com sérios antecedentes que demonstram a existência de pequenas empresas envolvidas na ação, pagando cerca de 4.000 pesos por cão que fosse “levado embora”.

Grandes empresas, construtoras e condomínios fechados seriam os clientes mais comuns nestas práticas, que eram declaradas como “custos de administração” nos relatórios de despesas comuns.

Com informações de PrensAnimalista


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COMPANHIA

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>