Ativistas impedem simulação de avalanche com porcos vivos


Protestos intensos de ativistas dos direitos dos animais levaram cientistas a adiar um experimento de avalanche que envolvia enterrar porcos vivos na neve e acompanhar suas mortes.
 
O experimento de duas semanas pretendia determinar que fatores permitem aos seres humanos sobreviverem a uma avalanche em um bolsão de ar, até a chegada do resgate, sem sofrer dano cerebral permanente.

O codiretor do experimento,  Hermann Brugger, garantiu que os porcos não sofreriam, porque estariam sedados e anestesiados. O estudo é patrocinado por instituições da Áustria e da Itália. Mas os ativistas classificaram a experiência de cruel e sem sentido.

Depois dos protestos, o diretor da Universidade Médica de Innsbruck, Herbert Lochs, confirmou que a realização do experimento estava suspensa, por causa da atenção da mídia provocada pelas demonstrações. Um total de 29 animais havia sido selecionado para o procedimento.

Em nota divulgada no website da universidade, os organizadores da experiência declararam que ela é justificável sob o aspecto ético e havia sido aprovada pelo órgão competente do Ministério de Ciências e Pesquisa da Áustria.

Fonte: Estadão/AP


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA

AÇÃO HUMANA

JAPÃO

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO SONORA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>