Bem-estar animal

Livro combate obesidade de cães e orienta sobre qualidade de vida

Mais qualidade de vida. Esta é uma das resoluções mais comuns das pessoas na virada do ano. Mas para começar o ano bem consigo mesmo, este desejo que deve incluir, além de você mesmo, aqueles por quem você é responsável, como os animais de estimação. No caso específico dos cães, a expectativa de vida aumentou e eles podem viver até 20 anos em boas condições de saúde, se tiverem tutores cuidadosos.

Foto: Reprodução/Divirta-se Notícias
Foto: Reprodução/Divirta-se Notícias

“Tenho observado no consultório que os cachorros estão vivendo muito mais que antes e então a gente tem que se preocupar com o tipo de vida que vai proporcionar para eles”, afirma a veterinária Regina Rheingantz Motta, apaixonada por cães e autora do livro ‘Bom pra cachorro – Qualidade de vida para seu cão’, lançado em novembro pela editora Gente.

Segundo a médica, os cães tem sofrido reflexos da má qualidade de vida de seus donos. Estão sendo super alimentados e são sedentários. “Os índices de obesidade hoje já são alarmantes e tem projeções horrorosas. E estamos vendo que os cachorros estão indo para o mesmo caminho”, afirma. “A indústria se preocupa com a criação de um alimento balanceado mas o dono joga isso por terra quando super-alimenta o cão”, completa. Ela ensina que o correto é olhar a quantidade que está indicada no pacote e não ceder aos apelos do animal. “Não existe uma quantidade única. Depende da composição do alimento”, diz.

Atividade física

De acordo com a médica, é saudável criar um cachorro em apartamento se houver o cuidado de incluir exercícios físicos na rotina diária. “O ideal são dois passeios diários de no mínimo uns 15 minutos”, diz. Mas à medida que eles adquirem condicionamento físico o tempo deve aumentar, como ocorre com os humanos. E se o animal vive em uma área ampla, como um quintal ou jardim, não significa quel ele vai se exercitar.

“Ele tem que ser estimulado”, diz, enumerando as várias atividades já disponíveis para os animais, como a natação, a caminhada em esteira dentro d’água. Regina Motta salienta ainda que a necessidade de exercício físico do animal é um incentivo para que o próprio tutor saia do sedentarismo.

Foto: Regina Motta/Divulgação
Regina Motta (Foto: Reprodução/Divirta-se Notícia)

Especializada em homeopatia veterinária pela Escuela Homeopática Argentina, de Buenos Aires, ela conta que trata cães com medicamentos homeopáticos há 25 anos. “É uma medicina que existe há 200 anos. Cada vez mais tem comprovação científica da eficácia do tratamento. Tenho bastante sucesso”, conta.

A homeopatia é usada para tratamento de gastroenterite, otite e outras doenças crônicas dos animais, como as alergias. Segundo ela, muitas pessoas já chegam ao consultório desiludidas com a alopatia, que é o tratamento convencional. “O uso de medicamentos alopáticos, além de não curarem, trazem muitos efeitos colaterais, no caso da alergia”, diz. A médica afirma ainda que além da cura das doenças, ela melhora a resistência do organismo do animal.

Livro

Ao abordar a qualidade de vida dos cães, o livro da veterinária traz ainda orientações sobre adestramento, exercícios físicos, atividades para fazer dentro de casa, o equilíbrio emocional do animal e as etapas da vida, que incluem a vida sexual e a terceira idade.

Autora

Formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Artes, Regina Motta especializou-se em fotografia de animais, seguimento em que atua para o setor editorial e publicitário. A veterinária faz ainda books de cachorros e diz que uma das tendências entre os tutores de animais hoje é o uso de fotos como objetos decorativos.

Fonte: Divirta-se Notícia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui