Veterinário americano é condenado por maus-tratos a filhote de cachorro


Por Karina Ramos (da Redação)

A história de um filhote de cachorro de 9 semanas de idade que teve parte de seu rabo removido sem anestesia foi contada novamente nesta quarta-feira (17), desta vez em um tribunal.

Thomas Stevenson, o veterinário de Honey Brook que realizou o procedimento, apresentou sua versão do incidente na semana passada perante a Comissão de Medicina Veterinária.

Na última quarta-feira, Thomas repetiu a história na frente de uma multidão de aproximadamente 50 pessoas em uma sala de audiência do tribunal de Quarryville. Parte da multidão parecia estar lá para apoiá-lo.

Thomas disse que quando foi ao canil comercial de cães de Samuel King, no dia 10 de março, para realizar uma inspeção de rotina, Samuel teria dito a ele que havia cortado parte do rabo do cachorrinho em um acidente estético.

Usando sabão e tesoura, o veterinário disse que cortou o pedaço que havia sobrado, para que a pele do animal não ficasse presa no cercado de arame do canil e para que outros cachorros não tentassem mastigar o que sobrou.

Porém, após horas de julgamento, o juiz Stuart Mylin considerou Thomas culpado da acusação de crueldade contra animais e aplicou uma multa de $750.

O veterinário disse que não aplicou anestesia pois o animal, um mestiço de poodle, estava calmo e não parecia estar com dor enquanto ele fazia a remoção. “Ele não deu um gemido sequer, ficou calmo o tempo todo”, disse ele. Thomas, que tem 28 anos de profissão, disse que teria feito diferente se estivesse em sua clínica.

Tara Loller, porém, que testemunhou o fato enquanto trabalhava disfarçada para a Sociedade para a Prevenção de Crueldade contra Animais da Pensilvânia, descreveu a situação como “uma das piores coisas que ela já viu na vida”. Ela disse que o animal tremia e uivava enquanto o veterinário o segurava embaixo da água quente e repetidamente cortava sua pele com a tesoura. Após o fim do procedimento, Tara comprou o animal por $200 e foi aconselhada pelo veterinário a manter o ferimento limpo, aplicar um antisséptico três vezes ao dia e levar o cão ao seu veterinário de confiança.

Quando a audiência chegou ao fim, Thomas abraçou seus familiares e alguns apoiadores antes de deixar o tribunal e não fez comentários.

Seu advogado, Joshua Autry, disse apenas que iria recorrer e pedir uma nova audiência.

Inicialmente, Thomas foi acusado por crueldade contra animais em nível de contravenção. Mas a acusação foi reduzida para uma ofensa sumária.

O juiz declarou que acredita nas habilidades e cuidados de Thomas, mas que o veterinário ficou em uma situação difícil, em que precisou fazer o que fez para satisfazer seu cliente, que era “ajudar o criador a vender seu cachorro”.

A Comissão de Medicina Veterinária estadual, que suspendeu a licença de trabalho de Thomas em maio, ainda está decidindo se revogará permanentemente a licença do veterinário.

Fonte: Animal Concerns

Nota da Redação: Nada justifica a crueldade e incompetência do veterinário, que pensou apenas no lucro e não no sofrimento do animal quando aceitou realizar o procedimento, a pedido de seu cliente, sem anestesia e no próprio local. Essa também é mais uma face cruel do comércio de animais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO SONORA

MAUS-TRATOS

DEBILITADO

DECISÃO JUDICIAL

INSPIRAÇÃO

DENÚNCIA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>