Olhar literário – Laerte Fernando Levai

Uma leve simetria

Rafael Bán Jacobsen, doutor em física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul,  é professor, pianista, poeta e escritor. Sócio do Grêmio Literário Castro Alves, da Casa do Poeta Rio-Grandense, membro do Partenon Literário e da Academia de Artes, Ciências e Letras Castro Alves, ele tem no currículo diversos trabalhos publicados em coletâneas de literatura e, em 2005, o romance Solenar. Seu incontestável talento, capaz de unir – ao mesmo tempo – sensibilidade, inteligência e bom humor, o transformou em uma das principais vozes vegetarianas no Brasil. Defensor das mais belas causas, sua militância em prol dos direitos dos animais traz em si a beleza indestrutível das nossas sonhadas utopias.

Em 2009, Rafael Jacobsen lançou mais um romance: Uma leve simetria. Valendo-se de linguagem poética, permeada pelas cores da delicadeza, ele fala sobre o amor em suas múltiplas dimensões. Fala da relação entre os adolescentes Daniel e Pedro, estabelecendo um sutil paralelo à história da paixão bíblica de Davi e Jonatã. Fala da condição humana. Do amor e da morte. Dos encontros e das despedidas. Eu e tu. Pedaços. Pedaços apenas. Por isso a urgência de viver. Do amar, verbo intransitivo. Amor verdadeiro e incompreendido e fugidio. Que se desfaz, frágil, nas pétalas do tempo e do vento. Por que não abriste teus olhos de estrela?    

A personagem ensimesmada, ao evocar a memória de seus afetos, assim principia sua singular narrativa:

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“Lembro do silêncio ancestral da sinagoga naquela manhã, das estrelas de seis pontas que a luz do sol lançava em cores sobre as toalhas de linho branco ao atravessar os vitrais. Lembro minhas mãos inquietas, perdidas entre as páginas do livro de orações. À espera…”.

Para a crítica literária Léa Masina, o novo romance de Rafael Jacobsen revela um escritor seguro de seu ofício e impecável em cada frase, em cada palavra, em cada imagem poética. O amor entre Daniel e Pedro, nascido à sombra da sinagoga em que se desenvolve, realiza-se pela simples contemplação, sublimando por sua intensidade. Vida e morte. Morte e vida. Amar o amor com seu beijo tácito e sua sede infinita… E nessa delicada e sutil simetria, o autor desenha sua estética de plenitude:

“Era noite quando partiste… Era alta a madrugada quando cheguei ao cemitério… Cobri a cabeça com a quipá e, em um lento caminhar, avancei pela vereda sombria que me levariam a ti.  Pela última vez. Não escutava sequer meus pés temerosos sobre os ladrilhos. Nenhuma ave noturna ousava profanar a quietude de gelo. Nem mesmo o vento queria soprar – árvores e galhos estáticos. Silêncio.” 

Outro grande escritor gaúcho, Moacyr Scliar – membro da Academia Brasileira de Letras – não poupou elogios a Uma leve simetria. Vale a pena conferir:

“Revela-se uma grata surpresa. Com grande sensibilidade e não menor talento literário, Rafael Bán Jacobsen narra-nos uma história que, tendo como moldura a vida comunitária judaica com seus costumes e suas tradições, representa, contudo, um verdadeiro mergulho na condição humana – uma obra que, desde já, consagra o seu autor como um importante nome na nova geração de escritores brasileiros.”

2 COMENTÁRIOS

  1. Querido Laerte,
    Rafael é “vegano”, um modo de vida diverso do “vegetariano”. Que tal usar o termo sempre que for apropriado? Muitas pessoas lêem o que escreves e assim passam a conhecer o termo vegano, esquecido pelos próprios sujeitos que fazem esta opção de vida.
    um abraço vegano abolicionista
    sonia t.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui