Biólogos e moradores de São Sebastião (SP) temem impactos causados pela ampliação do porto


O visual não é de uma praia paradisíaca. Mas a localização é privilegiada. A Baía do Araçá fica no centro de São Sebastião, em São Paulo, bem ao lado do porto. E foi escolhida para receber a ampliação do terminal marítimo.

 Uma construção de cerca de 1 milhão de metros quadrados sobre a baía. A área, que parece morta, é cheia de riquezas. “Eu vejo uma altíssima diversidade tanto de espécies vegetais como de animais”, disse a bióloga, Célia Amaral.

Cecília é pesquisadora da Unicamp. Assim como ela, muitos biólogos usam o Araçá como sala de aula. A areia, que tem cara de lama, é na verdade um dos solos mais propícios à vida marinha. Os rastros de diferentes formatos são marcas de pequenos moluscos. Só neste local já foram registradas 25 espécies, e em mais nenhum outro lugar do mundo.

Foto: Reprodução/VNews
Foto: Reprodução/VNews

Pesquisadores ficaram preocupados com o projeto inicial de ampliação do porto. Ele previa o aterro total do Araçá. Protestos da comunidade local fizeram a companhia docas alterar a forma de construção. Agora, o porto deve ficar suspenso, com a água correndo entre pilares.

A areia descoberta vai permanecer numa faixa de cem metros, no contorno da praia. “Creio que encontramos uma solução própria e inovadora que concilia economia e meio ambiente”, falou o presidente da companhia docas de São Sebastião, Frederico Bussinger.

Nas ruas o projeto divide opiniões. “Pode ser que sim, pode ser que não. Depende de quem vai administrar”, disse um morador. “Quanto maior o desenvolvimento, maior são as conseqüências”, alertou a pedagoga, Monica Schubert.

Para o prefeito da cidade Ernani Primazzi, os impactos ao meio ambiente e à fauna não merecem a devida atenção: “É evidente que vai trazer alguns problemas, sem dúvida. Mas na média nós vamos ter mais vantagens do que desvantagens”, disse. Para “compensar” os danos ambientais, o governo considera suficiente investir no tratamento de esgoto na cidade e na reparação de áreas degradadas.

A intensa movimentação marítima também preocupa o Cebimar, Centro de Biologia Marinha da USP. Segundo o diretor Álvaro Migotto, microorganismos resistentes que matam espécies tradicionais do litoral brasileiro podem vir de outros países. Como é o caso do Coral Sol, que é do oceano pacífico. O microorganismo pode ter vindo para região grudado no casco de um navio. “O Coral Sol é um caso que nos preocupa bastante”, disse o diretor. “Você tem que saber balancear isso e avalizar o que é mais importante para a região. Como elas podem conviver, se é que podem conviver ou não”, completou.

Com informações do VNews


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ASCENSÃO

GRATIDÃO

INDEFESAS

VIDA NOVA

AÇÃO SOCIAL

AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>