Após ameaça de extinção, baleias azuis retornam ao Alasca


As baleias azuis estão voltando ao Alasca em busca de alimento, e podem estar restabelecendo uma antiga rota de migração, décadas depois de terem sido praticamente exterminadas por baleeiros comerciais, dizem cientistas.

As baleias ameaçadas, provavelmente os maiores animais que já viveram no planeta, ainda têm de se recuperar do massacre mundial que eliminou 99% dos membros da espécie, de acordo com a Sociedade Americana de Cetáceos. A caçada atingiu o ponto máximo em 1931, com mais de 29 mil animais mortos em uma única temporada.

Mas diversos avistamentos recentes de baleias californianas ao largo das costas do Alasca e do Canadá sugerem que os animais gigantescos estão se espalhando rumo ao norte outra vez, em busca de krill – um animal semelhante ao camarão – para comer, dizem cientistas em um artigo na revista especializada Marine Mammal Science.

Pesquisadores obtiveram indícios da tendência em 2004, durante um levantamento da população de jubartes no Golfo do Alasca, disse o cientista Jay Barlow, da Administração Nacional de Oceano e Atmosfera (NOAA) dos EUA. Três baleias azuis foram avistadas.

Baleias azuis voltaram a ser avistadas nas águas do Ártico após décadas de ausência

“Ninguém tinha visto baleias azuis nestas águas desde o fim da caça às baleias”, disse ele. Um total de seis baleias foram avistadas no Alasca naquele ano. As outras três estavam nas Ilhas Aleutas, mas essas pertenciam a um grupo do Pacífico Oeste, perto da Rússia.

Em 2007, pesquisadores avistaram cinco de uma vez só, incluindo um par de mãe e filhote, perto das Ilhas da Rainha Charlotte, no Canadá. Três outras foram avistadas no dia seguinte.

Os cientistas não sabem com certeza por que as baleias voltaram a migrar para o norte. Uma teoria é de que as condições oceânicas mudaram, empurrando o krill mais para o norte. A mudança, acredita-se, é parte de uma variação normal na temperatura dos oceanos.

Estima-se que existissem 350 mil baleias azuis antes que os baleeiros as caçassem até a beira da extinção, no século 20. A Comissão Baleeira Internacional proibiu a caça de baleias azuis em 1966, mas a recuperação tem sido lenta. De acordo com a Sociedade Americana de Cetáceos, hoje existem de 8 mil a 14 mil desses animais.

Essas baleias costumavam nadar do México e do Sul da Califórnia ao Alasca, mas estão praticamente desaparecidas das águas desse Estado americano.

Fonte: Estadão


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TAILÂNDIA

ESTUPIDEZ HUMANA

POLUIÇÃO

AUSTRÁLIA

ÓRFÃO

MALDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>