Onze chimpanzés foram mortos a tiros porque decidiram não se submeter aos homens


A jornalista Priscila de Martini publicou recentemente eu seu blog uma carta escrita pelo Dr. Pedro A. Ynterian, presidente do Projeto GAP Internacional, sobre o uso de chimpanzés para entreter os seres humanos, em que são relatadas as agressões cometidas a chimpanzés, em fevereiro deste ano, nos EUA. Segue, abaixo, conteúdo da carta.

“Carla Nash ainda está em estado crítico na Cleveland Clinic. Ela não tem mais mãos, não tem olhos nem nariz e parte do seu queixo desapareceu. O chimpanzé Travis, de 13 anos, fez este estrago em poucos minutos. A tragédia aconteceu em fevereiro desse ano em Connecticut, Estados Unidos, e terminou com a morte de Travis a tiros pela polícia. A sua mãe humana, apesar de tê-lo esfaqueado para tentar parar a agressão, nada sofreu.

Catarina, chimpanzé do Circo Koslov, situado em Campanha (MG), estava dentro do trailer do dono, colocando roupas e sendo preparada para uma visita a uma escola infantil. No final de abril, o IBAMA e a Polícia Federal entraram no circo e anunciaram a apreensão de Catarina. Depois de alguma discussão, o dono do Circo concordou e colocou-a voluntariamente na caixa de transporte que estava dentro de uma van da transportadora Americana (TA). Após ser colocada dentro da caixa, a corrente que permanecia no pescoço de Catarina foi retirada e esta, assim que se sentiu segura, arrancou a roupa do seu corpo, talvez em seu primeiro ato de rebeldia e libertação.

Durante mais de 30 anos, Catarina, chimpanzé de pequeno porte, apática, calma, viveu a rotina do circo, sendo apresentada em espetáculos e sendo levada a visitas a escolas e eventos, assim como em diversos programas de TV. Conhecemos muitos chimpanzés e Catarina já não é mais um deles. Ela aprendeu a sobreviver na rotina de sua vida e só pede que lhe façam carinhos. Ela pode ficar uma hora com alguém fazendo carinhos em suas costas. Ela acha que dessa forma agrada a todos, consegue sobreviver e ter momentos de sossego sozinha no interior de sua jaula de transporte, que já percorreu o Brasil várias vezes.

A irresponsabilidade de usar Catarina dessa forma é enorme. É inacreditável que os órgãos de segurança de Minas Gerais e de outros estados e cidades tenham permitido até hoje que ela andasse pelas ruas, escolas, estúdios de TV e lugares mais expostos da sociedade, sem calcular que um dia UMA TRAGÉDIA PODERIA ACONTECER. Travis também andava pelo centro da cidade e fazia programas de TV. Um dia roubou as chaves do seu quarto, fugiu e quando Carla Nash tentou capturá-lo, sua vida quase acabou.

Mais de 11 chimpanzés foram mortos a tiros nas ruas dos Estados Unidos porque um dia decidiram não mais se submeter aos homens como animais de estimação, a fim de descobrir o mundo e seus perigos. O IBAMA tomou a única atitude responsável que era cabível, quando outros setores do Estado, diretamente responsáveis pela segurança da população, se omitiram. A Polícia Federal também apoiou a ação, já que não é a primeira vez que um policial tem que agir contra um ser selvagem que escapa do seu cativeiro.

O péssimo exemplo para a sociedade do uso de um chimpanzé como se fosse um “pet” andando por aí, sem a mínima segurança, sem equipamentos de contenção química e física, demonstra um aspecto que representa como ainda se violam as leis e poucos se importam com a vida em nossas comunidades.

Catarina foi domesticada, para dizer o mínimo, à base do sofrimento. Nenhum chimpanzé se converte em dócil porque assim nasceu. Os chimpanzés compartilham nosso DNA e nosso sangue, somos praticamente iguais, e se o ser humano é violento e o demonstra dia-a-dia, minuto a minuto, semeando cadáveres no planeta, o chimpanzé também o é; e a violência e agressividade abrigadas em seu interior estão prontas para explodir no momento mais inesperado.

Catarina, que está agora no Santuário do GAP em Sorocaba conhecendo outros chimpanzés, no início se apavorou. Depois começou a reagir e a comunicar-se vocalmente com eles. Num futuro talvez ela possa fazer o “grooming” e ser acariciada por outro chimpanzé e não mais por um humano que nunca a conseguiu entender.”

Fonte: Ar Puro/GAP


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSUMO CONSCIENTE

PROTEÇÃO

AMOR PROFUNDO

ÍNDIA

RESGATE

ASFIXIA

NECROPSIA

SAUDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>