Abolicionismo animal


Por Heron José de Santana, Luciano Rocha Santana e Tagore Trajano

Milhões de animais sencientes, nascidos livres, são roubados, capturados, mutilados, vendidos como mercadoria, espoliados na realização de trabalhos forçados, ou simplesmente mortos e devorados, sem qualquer direito a defesa, e poucos de nós se compadecem com o sofrimento desses seres, muitos deles tão próximos de nós na cadeia evolutiva. Será mesmo que nós temos o direito de tratar desse forma as outras espécies?

Embora o homem e o animal, entre outras coisas, tenham em comum o nascimento, a morte, a dor e o prazer, a tradição ocidental identifica diferenças significativas entre eles, notadamente quando se fala em corpo e alma, instinto e razão.

Segundo Aristóteles, os seres vivos que se encontram nos degraus mais baixos na “Grande Cadeia dos Seres” existem para servir aos que se encontram nos degraus mais elevados, e para ele tanto os animais como as mulheres, os escravos e os estrangeiros existiam para servir ao homem racional.

É pela função intelectiva da alma que o homem procura se posicionar dentro da cadeia dos seres, situando-se em relação ao seu inferior, o animal, mas também em relação ao seu superior, a divindade. A mente não é apenas um atributo distintivo entre o homem e os animais – da mesma forma que o bico duro, as asas e a aptidão para voar distinguem os pássaros dos outros seres vivos –, ela seria uma prova do parentesco do homem com os deuses.

O estoicismo, que foi uma das principais escolas filosóficas da idade helenística, compartilha com o epicurismo e o ceticismo que existe um primado do problema moral sobre os problemas teóricos, e ao lado da doutrina aristotélica vai exercer grande influência na história do pensamento ocidental, uma vez que os seus ensinamentos ainda hoje são parte integrante da maioria das doutrinas filosóficas e religiosas.

Para os estoicos o ideal é a quietude (ataraxia ou apatia) consubstanciada na recusa de emoções e desejos, já que diferentemente dos animais, que estão submetidos infalivelmente ao instinto, o homem é guiado pela razão, que é um instrumento que lhe fornece as normas imutáveis de ação que constituem o direito natural. É a partir dessa noção estoicista de logos (fala, faculdade de raciocinar) que vão ser cunhadas as definições do homem como “animal racional” (zoon logikon) e dos animais como seres vivos desprovidos de fala (aloga zoa).

Na era moderna Descartes vai levar a tradição aristotélica e estoicista às últimas consequências, concebendo os animais como máquinas destituídas de alma e incapazes de qualquer emoção ou sofrimento.

Esta tradição só vai ser abalada em 1871, com a publicação da obra A origem das espécies, na qual Charles Darwin refuta os fundamentos filosóficos que até então sustentavam a ideia de que apenas o homem – feito à imagem e semelhança de Deus – tinha uma alma intelectiva (espírito) que legitimava o seu domínio sobre todos os animais. Com efeito, a grande revolução darwiniana foi provar que as diferenças entre o homens e os animais são apenas de grau, e não de categoria, e que homem, portanto, não ocupa nenhum local privilegiado na ordem da criação. Inobstante, apesar do abalado ou mesmo a destruição das estruturas da tradição antropocêntrica moderna promovida por Darwin, ao provar que existe uma continuidade entre os homens e as demais espécies, estes últimos continuam excluídos da esfera de consideração jurídica ou moral. É como se, passado mais de um século, após a publicação de As Revoluções dos Orbes Celestes (1543), a física e a matemática continuassem operando dentro do paradigma científico ptolomeico, que sustentava que os planetas giravam em torno da Terra.

Assim como a revolução copernicana foi recusada durante muito tempo porque exigia o abandono da ideia de que o homem – considerado o centro do universo moral – habitava o centro do universo, as ideias de Darwin, embora hegemônicas no campo científico, ainda não repercutiram devidamente na esfera da ética.

A partir da utilização de moderna tecnologia para analise genética, um grupo de renomados cientistas publicou recentemente na prestigiada revista americana Procedeedings of the National Academy of Sciences uma pesquisa que revela que a semelhança entre os códigos genéticos do homem e do chimpanzé é quase idêntica, isto é, 99,4%, de modo que já existem provas científicas suficientes para afirmar que o homem e os grandes primatas pertencem à mesma família (Hominidae) e ao mesmo gênero (Homo), enquanto renomados cientistas defendem uma nova taxonomia que reclassifique os chimpanzés e os gorilas na mesma família dos homens.

Seja como for, essas novas descobertas científicas, mais cedo ou mais tarde, haverão de promover mudanças nas esferas da moral e do direito, e provavelmente a forma como tratamos hoje os animais será motivo de espanto e indignação para as gerações futuras.

Por outro lado, é grande o equívoco daqueles que se opõem ao abolicionismo animal imaginando tratar-se de um movimento contra a humanidade, e que portanto os homens e animais deveriam ser tratados de uma forma igual. É porque não deixamos de reconhecer dignidade moral ou status jurídico para membros da nossa própria espécie destituídos de atributos intelectuais, como os deficientes mentais, e até mesmo a pessoas fictícias como as associções, que devemos elevar ainda mais essa moralidade, e nela os animais, que são tão próximos de nós na cadeia evolutiva.

Isto pode ocorrer, tal como ocorreu com a escravidão, sem que seja necessária uma emenda constitucional, pois quando o inciso VII do § 1º do art. 225 da Constituição Federal dispõe que incumbe ao poder público e à coletividade proteger a fauna, sem qualquer distinção, proibindo condutas que submetam os animais à crueldade, ela autoriza o próprio legislador ordinário a decretar a abolição de toda e qualquer exploração dos animais.

Tal como ocorreu com quase todos os movimentos de emancipação, é preciso um movimento abolicionista efetivo, formado por políticos, cientistas, artistas, profissionais liberais e, principalmente, por advogados, juízes, promotores e associações de proteção dos animais, para que seja possível a promoção sistemática de ações judiciais em defesa dos animais. Esta foi a lição que aprendemos com todos os movimentos de emancipação: primeiro eles são ridicularizados, depois são vistos com simpatia, até que um dia eles são vistos como integrantes permanentes da nossa esfera de moralidade. Neste dia talvez estejamos cumprindo o mandamento bíblico de governar e cuidar de todos os seres vivos, os peixes do mar, as aves dos céus e todos os animais que se arrastam sobre a terra.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

INVESTIGAÇÃO

FLÓRIDA

JAPÃO

AVANÇO

COMPORTAMENTO

'SAVE RALPH'

ÍNDIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>