Viviane Pereira

Natal do peru

Época de Natal, pessoas se amontoam nos supermercados para comprar perus, chesters, frangos defumados, temperados e tantos outros tipos de aves que vão parar na mesa para a comemoração dos cristãos. Os números assustam – apesar das divergências de informações encontradas, é possível ter uma idéia: fala-se em 250 milhões de perus na Europa e 17 milhões no Reino Unido. Nos Estados Unidos – em que a ave é o prato principal não no Natal, mas no Dia de Ação de Graças, há indicações de que são consumidos na data de 40 a 90 milhões de perus. Aqui no Brasil – considerado o terceiro maior produtor de perus do mundo, atrás dos Estados Unidos e União Européia –, o grande produtor é o Paraná e esse ano os números no estado apontavam a produção de 11,6 mil toneladas de aves especiais só para as festas de final de ano.

E Cristo, que pregava amor a todas as criaturas, tem seu nascimento comemorado com a morte de milhões de animais. Se somarmos todas as aves mortas para a ceia de Natal e Ano Novo, chegaremos a um número que não deve ficar muito longe de pelo menos metade – ou um quarto, quem sabe – da quantidade de cristãos espalhados pelo mundo, estimados em 2 bilhões.

Essa reflexão me fez lembrar uma piada em que um homem, ateu, perdido na floresta, corre para fugir de um urso, até que tropeça e o tempo pára ao seu redor – inclusive o urso, que fica petrificado. No que seria seu último segundo de vida, ele reflete, resolve se converter, ajoelha e reza pedindo: “Senhor, faça desse urso um cristão”. O tempo volta a correr, o urso ajoelha, reza e agradece: “obrigado, Senhor, pela refeição que terei hoje”. Nem é preciso dizer o destino do ateu convertido.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Essa história ilustra bem as imagens conflitantes que temos de alguém que busca em Jesus a fé e o amor. O homem esperava a única coisa que se espera de um cristão: piedade. O urso agiu como o fazem tantos cristãos: celebram a vida, alimentando-se da morte.

O exemplo de que a vida pode ser celebrada com a vida vem justamente do maior produtor de perus – nos Estados Unidos, em um santuário de animais, um grupo virou notícia na TV por promover um jantar especial de Ação de Graças não com os perus na mesa, mas tendo-os como convidados: fizeram uma ceia vegetariana com milho, uva, tomate, sementes de girassol – um verdadeiro banquete oferecido aos perus.

Enquanto isso, abaixo do Equador, muitos de nós vão celebrar o nascimento de Cristo comendo uma das milhões de aves mortas especialmente para a ocasião. Entre uma garfada e outra, celebramos a fé, a piedade e o amor a todos os seres. É do peru!

“…E Deus disse: Eis que vos dei todas as ervas, que dão semente sobre a terra, e todas as árvores, que encerram em si mesmas a semente do seu gênero, para que vos sirvam de alimento, e a todos os animais da terra, e a todas as aves do céu, e a tudo o que se move sobre a terra, e em que há alma vivente, para que tenham que comer. E assim se fez.”
(Gênesis)

1 COMENTÁRIO

  1. Vocês sabem de uma novidade, os “cristãos” nem sabem quem foi e quem é JESUS CRISTO, não sabem, desconhecem a Mensagem do AMOR UNIVERSAL eles conhecem sim um prato cheio de sofrimento, horror, sangue e muito sangue, desconhecem o que seja NATAL, conhecem sim encher a pança de carne, beber, falar besteiras, muitos sorrisos carregados de sangue, é de lamentar que em pleno século XXI, ainda não compreenderam o NÃO MATARÁS, a ninguém, e o que é mais interessante, se dizem “cristãos”, caramba sô, se os “cristãos” podem devorar animais mortos sem piedade alguma, e os demais que não são “cristãos”, que poderão fazer? DEUS QUE ME PERDOE…DEUS QUE ME PERDOE…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui