• Compartilhe

Texto

Alerta aos tutores

Viroses podem matar os cães e gatos, afirma veterinário

29 de agosto de 2009 às 10:10

Morreu no início da tarde dessa sexta-feira (28) o cachorro Bob, o vira-latas da família Rodrigues, retratado na edição dessa sexta-feira. Os tutores do animal e vizinhos denunciavam uma matança por envenenamento, que estaria ocorrendo com frequência nos últimos dois anos. Na quinta-feira, o cão Bob iniciou com um quadro de extrema debilidade, vômito e diarreia com sangue. Antes dele, sete animais da casa já tinham morrido da mesma forma.

Sandro: só a vacinação previne (Foto: Reprodução/Gazeta do Sul)

Sandro: só a vacinação previne (Foto: Reprodução/Gazeta do Sul)

Sem condições financeiras para procurar atendimento particular, a família sofreu junto com Bob. Com a publicação da história no jornal e um apelo feito na Rádio Gazeta AM, diversas pessoas se sensibilizaram. Durante a manhã dessa sexta, agentes da Vigilância Sanitária estiveram no local, bem como o veterinário Sandro Lima, da Clínica São Francisco. Devido à gravidade da condição, não foi possível salvar o animal.

No entanto, segundo Lima, a morte não ocorreu por envenenamento. Bob foi vítima de uma virose, doença que o veterinário imagina circular por aquela região do bairro, sendo contraída pelos cachorros. Esta, aliás, é uma ocorrência comum neste inverno, beneficiada pelas condições climáticas. Em alguns casos, dependendo da imunidade do animal, o quadro avança para a morte em poucos dias. “Santa Cruz está passando por um surto de viroses”, afirma o veterinário.

As mais comuns são a cinomose, parvovirose e coronavirose, as duas primeiras violentas e altamente contagiosas. Os sintomas começam com prostração (estado de abatimento extremo), indisposição e vômito. Aliados a isso aparecem características específicas de cada tipo, variando entre diarreia, secreções (nasais e até oculares) e problemas de pele, podendo agravar também o sistema nervoso – provocando confusão e caminhar cambaleante.

Essas doenças virais atingem tanto cães quanto gatos, com transmissão de um animal para o outro – mas apenas de cão para cão e gato para gato, e nenhum deles para humanos. O tratamento nem sempre é eficaz. De acordo com Sandro, como não existe medicação específica, a gravidade depende muito do quadro imunológico. “O vírus pode se tornar um monstro, de acordo com a imunidade. Depois que contraiu, o tratamento se dá com antibióticos, às vezes soro. Mas tudo na intenção de dar suporte ao organismo, para que consiga reagir”, explica. Condições como má alimentação e frio podem derrubar as defesas naturais.

Vacina

A única forma de evitar que o cachorro ou gato contraia essas doenças é a prevenção com vacina. Geralmente as doses são múltiplas e atuam no combate de três a 12 viroses, dependendo da opção do tutor no momento da aplicação. A vacinação deve ser feita aos 45, 75 e 105 dias de vida. Depois, a contar da última, o reforço precisa ser anual. O custo médio é de R$ 20,00. Além das polivalentes, a vacina contra a raiva também precisa ser providenciada.

O veterinário lembra que o processo de prevenção também contempla outros cuidados, como a limpeza constante do local onde fica o animal, a alimentação balanceada e a troca frequente da água que ele bebe. O tutor também tem que ficar atento para condições de umidade e temperaturas baixas a que o bicho possa ficar exposto. “Os vírus vão se modificando constantemente, e ficando até mais fortes. Então, cabe a nós nos prepararmos, agindo preventivamente. 

 As doenças  
 
 •• Cinomose É altamente contagiosa, causada por um vírus bastante resistente ao meio ambiente. Animais de todas as idades podem ser acometidos. O período de incubação pode chegar a dez dias. O animal apresenta febre, apatia, perda de apetite, vômitos, secreção nasal e ocular e sinais neurológicos, dentre outros. O vírus atinge vários órgãos, como rins e pulmões. Uma vez diagnosticado, o animal recebe tratamento de suporte, que dê condições para o organismo reagir. O curso da doença é variável. A morte ocorre com frequência e muitas vezes o tutor opta pela eutanásia para aliviar o sofrimento de seu bichinho. Mesmo com um tratamento intensivo e adequado, a resistência individual é o fator mais importante. A vacina é a forma de prevenção. •• Parvovirose A parvovirose é comum e causadora de 80% de morte nos filhotes contaminados. Os sinais são febre, apatia, perda de apetite, vômitos e diarreia profusa. O animal solta as fezes na forma de jatos, com muito sangue. Desidrata rapidamente e deve receber cuidados imediatos. Muitos necessitam de internação, pois a doença aparece de forma abrupta e violenta. O tratamento visa a dar suporte aos animais para que consigam reagir. O período de incubação pode chegar a 12 dias, e o bicho que sobreviver à doença ficará imunizado temporariamente. •• Coronavirose É um vírus muito similar ao da parvovirose, com sintomas semelhantes. É considerado mais brando que a parvo, mas pode levar à morte. Os sinais clínicos são febre, inapetência, apatia, vômitos e diarreia na forma de jatos. Os animais recebem tratamento sintomático, e as chances de sobrevivência são maiores.
 
Fonte: Gazeta do Sul

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Eurípedes Kühl

Eurípedes Kühl

Desde criança tenho respeito e amor pelos animais. Assim, todos que como eu têm compaixão e protegem nossos irmãos do re

Eurípedes Kühl
Escritor espírita

Escritor espírita

Janine Borba

Janine Borba

Dizem que quem não gosta de samba bom sujeito não é, pois eu acho que quem não gosta de bichos bom sujeito não é! Eu que

Janine Borba
Jornalista e apresentadora

Jornalista e apresentadora

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: