ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Direitos dos Grandes Primatas - Pedro A. Ynterian

O direito à irresponsabilidade

21 de novembro de 2012 às 17:20

A cultura em nossas sociedades humanas nos levou a criar um sistema que protege o indivíduo acima dos outros participantes deste universo. As leis, costumes, normas e decisões são dirigidas a proteger os humanos, que podem fazer deste mundo o que desejarem, até acabar com o mesmo.

Os zoológicos existem como uma concessão dos Estados para exibir animais e dar entretenimento à população que ainda aprecia esse lazer. Os animais lá reclusos não têm o mínimo direito e são escravizados para servir ao público visitante esse espetáculo deprimente.

Para amenizar, talvez hipocritamente, os Estados têm criado órgãos de defesa dos animais e do meio ambiente, em geral, que têm a missão de evitar os abusos e proteger os desprotegidos. Lamentavelmente, nenhum desses órgãos criados, em qualquer país, cumpre realmente essa sua função e se convertem, muitas vezes, em avalistas dos abusos que são praticados contra o mundo animal.

O IBAMA é o nosso órgão ambiental, tem a responsabilidade de licenciar os zoológicos e todos os empreendimentos que acolhem animais, fiscalizar seu funcionamento e monitorar a saúde mental e física dos seres lá reclusos.

Na Ação Civil Pública n° 5010340-53.2012.404.7208/SC, de dias atrás, impetrada por um grupo de organizações de defesa dos animais, o IBAMA aparece no lugar errado. Não é AUTORA da denúncia, mas sim RÉU. Isto tem lógica?

Acompanham o IBAMA como RÉU: JB WORLD ENTRETENIMENTOS S.A., que é o Parque e Zoológico do Beto Carrero World; a RBS PARTICIPAÇÕES S.A., grupo de mídia gaúcho, e finalmente o GREEN VALLEY – GV EVENTOS LTDA. ME, uma micro empresa, fundada em 2007, no bairro Rio Pequeno, Balneário de Camboriú – SC, que se dedica a promoção de eventos e tem um capital registrado de 100.000 reais. Ela conseguiu “convencer” o nosso órgão ambiental que os 700 animais do zoológico do Beto Carrero – muitos deles ameaçados de extinção – não escutariam um único som de música estridente de mais de 30 mil pessoas, reunidas durante dois dias, a 400 metros do zoológico. Um som não deixou dormir toda a vizinhança de humanos e animais do parque.

É lamentável ter que escrever estas linhas. O fazemos com dor, já que estivemos junto com bons servidores do IBAMA, em muitas empreitadas para coibir os maus tratos e os abusos contra os animais no país. Achamos que o nome do IBAMA não deveria ter sido manchado deste jeito.

De que lado estão os que autorizaram aquela sessão de tortura sonora a centenas de animais, e que nunca poderá ser medido o dano a eles causado? Que importância tinha esse evento de música estridente frente à saúde desses animais, a maioria propriedade do Estado, que lá estavam na confiança de que aquele zoológico os cuidaria, os protegeria e nunca seriam submetidos a uma tortura daquela dimensão?

Como uma forma de isolar os animais da barulheira externa, o zoológico foi forrado com tapumes, convertendo-o ainda mais, numa prisão absurda, o que já pode ser qualificado de maus tratos, se alguém realmente isento desse sua opinião.

Pensemos também que aquele o foi idealizado e gerado no exterior, e que uma grande parte do dinheiro que rendeu foi convertida em dólares e euros, e já está viajando para as contas do grupo de DJs milionários, que em nenhum momento – apesar das denúncias – se importaram que iriam torturar animais com seu trabalho.

Um Governo ou uma Nação, que deve zelar por seu território e por todos que aqui vivem, não se importou que estrangeiros viessem aqui, com toda a fama de seus milhões, da propaganda e do marketing que geram a fim de tirar divisas do nosso país e torturar animais inocentes.

Segundo o Despacho do Juiz Federal, que não aceitou suspender o evento e teve a ingenuidade de acreditar, que, com tapumes, era possível isolar um zoológico de 700 animais e que durante dois dias os ouvidos sensíveis destes seres não ouviriam nada, agora há aa obrigação de se publicar todos os resultados dos testes que lá foram feitos, assim como o monitoramento da imensa barulheira.

Essa tortura vai se repetir nos próximos quatro anos! Segundo o contrato da micro empresa catarinense com os DJs internacionais milionários, que desejam continuar enriquecendo suas contas bancárias às custas da dor e insanidade mental que estão criando em seres inocentes. Para nós, que convivemos com centenas de animais e sabemos como eles sofreriam se fossem submetidos à mesma experiência, ficamos com a opinião de um morador vizinho do Parque, que confessou a um repórter da TV local que nem ele nem a sua família conseguiram dormir com o barulho.

O Direito à Irresponsabilidade ainda continua permeando nossa sociedade e quando o vil metal entra em jogo, os princípios e a ética são jogados na lata do lixo. Porém, não desistamos, ainda existe esperança. Estes exemplos e as redes sociais vão terminar extirpando de nossas sociedades estas práticas nojentas e os sujeitos que as praticam.

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Yossefe

ceu limpo

Todo trabalho que eleva o padrão vibratório e através da perseverança, da fé e boa vontade é merecedor do respaldo do ma

Yossefe
Pelo médium irmão Gilberto

Pelo médium irmão Gilberto

Mara Gabrilli

mara

Muito antes de me tornar gestora pública, quando ainda era presidente de uma ONG, meu trabalho já era pautado na cidadan

Mara Gabrilli
Deputada federal (PSDB/SP)

Deputada federal (PSDB/SP)

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: