ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Vittorio Medioli

A matança de animais e a virtude da beleza

18 de janeiro de 2016 às 21:20

Divulgação

Divulgação

Uma leitora, depois de ter assistido a um programa de moda em canal de TV paga, gentilmente me pediu para comentar o uso de peles de animais no vestuário feminino. Seria apenas uma escolha cruel, não fosse absolutamente inútil e de gosto duvidoso. Existem tecidos das mais variadas texturas para aquecer o corpo em época de frio, sem recorrer a chinchilas, focas, leopardos, raposas, linces, castores canadenses e carneiros persas que poderiam viver suas vidas na natureza, ambiente que Deus lhes reservou.

Ensinou Pitágoras, o primeiro dos grandes filósofos: “O luxo mais simples é o mais excelente”, e ainda: “Procure ser elegante e puro sem excitar a inveja e sentimentos subalternos”.

Uma pessoa dotada de certa sensibilidade não carregará em seus ombros ou em contato com seu corpo a pele de um ser suprimido com violência. Por mais colorida e tratada que seja, poderá estar carregando o espanto da morte, do sacrifício desnecessário, da incredulidade do animal vitimado pela ganância de alguns e para satisfazer a vaidade fútil e efêmera de uma mulher.

Justificar-se-ia para um esquimó – como meio de sobreviver entre gelos eternos – suprimir uma foca, mas nunca para uma mulher que pretenda realçar sua beleza física (ou, mais frequentemente, para encobrir a carência de atributos).

Causa e efeito

Segundo o alquimista, o mediador plástico, aquela força sutil que molda as aparências – influenciado de vontades e desejos, de práticas e contatos –, traduz nas formas o bem, o mal, a grandeza e a pequenez do indivíduo. Não há nada debaixo do sol sem consequências, o que se faz se paga. Dessa forma, não se escapa ao processo constante de causa e efeito, que reserva a cada um o justo mérito e o inexorável castigo.

A indigência moral produz feiura física. O mediador plástico provoca no ser humano a dilatação do ventre do guloso e lhe acentua as mandíbulas, afia os lábios do avarento, torna impudente o olhar da mulher impura, e venenosa a expressão do invejoso.

A natureza que frequentamos, o ar que respiramos, o material que vestimos transmitem sua semelhança. Transfere seus fluidos. São eles os elementos da alquimia que modificam nossa exterioridade. Tire a vida de animais, ainda mais para ser fazer mais bonita, e terá o contrário do desejado.

Danosos à beleza

Os sentimentos egoístas, e neles vão todos que estimulam a matança de inocentes, são danosos à beleza mais que os radicais livres, que as toxinas, que as gorduras saturadas. Apagam-se o brilho do olhar, a maciez da pele e os reflexos dos cabelos. O charme se exala e deixa lugar à feiura mascarada.

A beleza é um empréstimo que a natureza faz à virtude, ensinou o abade. Perdida a virtude, não há como se conservar a beleza.

Fonte: Tribuna da Internet

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Derrick Green

derrick

Essa compaixão que é necessária em relação aos animais, também é importante para as pessoas. Para mim é muito importante

Derrick Green
Vocalista do Sepultura

Vocalista do Sepultura

Yossefe

ceu limpo

Todo trabalho que eleva o padrão vibratório e através da perseverança, da fé e boa vontade é merecedor do respaldo do ma

Yossefe
Pelo médium irmão Gilberto

Pelo médium irmão Gilberto

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: