ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Conscientização

Projetos buscam salvar animais ameaçados de extinção no Ceará

17 de outubro de 2010 às 12:04

Cabeça vermelha, pássaro da caatinga ameaçado pelos incêndios (Foto: Por Reprodução)

A zona costeira cearense tem uma grande diversidade biológica (e pequena em quantidade por espécie), maior que muitos Estados. Em 573km de litoral, diversas paisagens de dunas, mangues, falésias, com fauna e flora envolvidas na dinâmica desse habitat. Enquanto o meio ambiente segue ameaçado, animais correm risco de extinção, moradores das comunidades praianas são capacitados por Organizações Não Governamentais (ONGs) ambientalistas e intensificam a mobilização para a consciência do cuidado com a natureza.

“A nossa santa Mãe Terra, ela é grande tesouro/ é nela que nós convive, é dela que nós precisa/ É dela que nós precisa, sem ela não somos nada, somo que nem uns peixinhos, nadando fora da água…”, canta Cacique Pequena, dos povos indígenas Jenipapo-Kanindé, em Aquiraz. Apesar da poluição das águas, das queimadas e desmatamentos para ocupação em áreas que deveriam ser de preservação permanente, os povos do mar estão se reunindo com o objetivo de preservar.

Em Icapuí, crianças fazem o replantio nos manguezais; em Aracati, jovens plantam mais de mil mudas de árvores frutíferas, fazem cinema para alertar a consciência ambiental; no Município de Acaraú, mulheres se mobilizam contra a prática ilegal de camarão em cativeiro; em Camocim, ambientalistas desenvolvem trilha de aventura para despertar a consciência ecológica, e “ai” do turista que não jogar o lixo na lixeira. Muito já se perdeu da biodiversidade no litoral cearense, mas houve nas comunidades um ganho de consciência ecológica incentivada por órgãos como Instituto Terramar, Esplar e Associação de Pesca e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (Aquasis).

Por meio da educação, as comunidades protestam contra a degradação ambiental, cobram que as prefeituras municipais saiam da omissão, questionam determinadas licenças ambientais, impetram ações civis públicas, sugerem intervenções como a revisão da resolução 02 de 2002 do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema), já que a mesma tem permitido a implantação de granjas de camarão em áreas Apicum (em tupi, “área inundada pelas marés”), embora as mesmas estejam diretamente associadas aos mangues e, teoricamente, devem ser preservadas. A costa litorânea do Estado é rica em aves migratórias, muitas aproveitando o “corredor do Atlântico” vindas do Ártico em direção à região da Patagônia (Argentina), e encontram nos manguezais cearenses, notadamente em Icapuí, lugar ideal para hospedagem.

Educação

Dentre as atividades de educação ambiental promovidas pela Aquasis estão o Projeto Brigada da Natureza, com 18 alunos tendo aulas de ecologia e práticas de surfe; viveiro de mudas frutíferas, financiado pela Federação Cearense de Comércio (Fecomércio); e o Projeto Manati, que tem o patrocínio do Programa Petrobras Ambiental. Prevê a construção de um novo centro de reabilitação de mamíferos marinhos, em que se poderá realizar a completa reabilitação de peixes-bois e pequenos cetáceos, até serem soltos novamente na natureza.

Projetos capacitam para resgate

Fortaleza. Não é mais novidade encontrar em alguns pontos do litoral mamíferos encalhados, desde tartarugas marinhas a baleias jubarte, passando por botos e peixes-bois. A demora do resgate e maus-tratos nas áreas de encalhe são entraves para o sucesso no resgate. Mas grupos de pescadores começam a ser capacitados para serem socorristas dos mamíferos marinhos. A Associação de Pesca e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (Aquasis) promove oficinas com pescadores para o resgate de bichos encalhados. “Eles fazem os primeiros cuidados facilitam o trabalho de reabilitação, e também melhora a consciência de conservação”, explica a bióloga Khaterine Choi.

A ocorrência de encalhe de mamíferos é registrada pelo Centro de Reabilitação de Mamíferos Marinhos (CRMM) que possui uma equipe de técnicos treinados e licenciados pelo Ibama, para o pronto atendimento a encalhes de golfinhos, baleias e peixes-boi, ocorridos no Ceará ou estados vizinhos. As comunicações geralmente são feitas por pescadores e moradores das comunidades litorâneas do Estado do Ceará, agentes ambientais, bombeiros e pelo Ibama. Dependendo do estado de saúde do animal, ele pode ser encaminhado para soltura imediata no mar, reabilitação em sistema de cativeiro ou semi-cativeiro ou, em última instância, para eutanásia, de acordo com a conduta da Medicina Veterinária e Protocolo da Rede de Encalhes de Mamíferos Marinhos do Nordeste (Remane/Ibama).

O Ceará tem se destacado com projetos apoiados pela Fundação SOS Mata Atlântica. O projeto “Refúgio de Vida Silvestre do Peixe-Boi Marinho” se destina à criação de uma Unidade de Conservação de Proteção Integral nos estuários dos rios Timonha/Ubatuba e Cardoso/Camurupim e zona costeira adjacente, para conservação da biodiversidade e manutenção dos serviços ecológicos. Outro projeto, “Área Marinha Protegida Litoral Leste do Ceará”, também da Aquasis, foi contemplado para criar uma Unidade de Conservação para preservar a biodiversidade costeira e o ordenamento da pesca artesanal.

Peixe-boi marinho

O peixe-boi marinho (Trichechus manatus manatus) é considerado por especialistas como o mamífero marinho mais ameaçado de extinção no Brasil. Sua estimativa populacional é de menos de 400 indivíduos para o litoral do Nordeste do Brasil, distribuídos em áreas descontínuas. O litoral leste do Ceará caracteriza-se como uma destas áreas de ocorrência, apresentando complexa problemática ambiental que vem causando destruição de habitats de alimentação (bancos de capim-agulha), reprodução e berçário (estuários), além das mortalidades provocadas pela interação com a pesca.

Fonte: Diário do Nordeste

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Giovanna Ewbank

giovanna_ewbank

Os animais são os seres mais puros que existem, eles não podem falar, mas seu olhar já nos diz tudo! Quem dera se todos

Giovanna Ewbank
Atriz

Atriz

Ricardo Young

ricardo young

Não há como construirmos uma sociedade sustentável se não nos reconectarmos com a vida em suas mais diversas manifestaçõ

Ricardo Young
Vereador (PPS/SP), empresário e um dos fundadores do Ethos

Vereador (PPS/SP), empresário e um dos fundadores do Ethos

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: