ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

CONTEÚDO ANDA

Canadá pode rever lei que aprova o uso de peles de cães e gatos

17 de março de 2016 às 23:40

Por Camille Labchuk/The Globe and Mail (Tradução: Bruna Oliveira/Agência de Notícias de Direitos Animais)

Furmarket

Gatos e cães são sacrificados de forma desumana para que suas peles sejam utilizadas na indústria da moda. Foto: Peta

Será que os habitantes do Canadá sabem realmente qual animal morreu para que eles pudessem vestir seus casacos de pele? Os canadenses que usam peles – casacos, luvas ou capuzes – podem ser surpreendidos ao saber que peles de gato e cães são perfeitamente autorizadas no país. Muitos estão vestindo animais domésticos sem conhecimento. Não há nenhuma exigência de que os produtos feitos com peles de cães ou gatos sejam rotulados, e os consumidores muitas vezes não têm ideia de quais espécies estão vestindo.

Mas isso finalmente pode estar prestes a mudar: o membro do legislativo Nathaniel Erskine-Smith apresentou na semana passada a Lei de Modernização da Proteção Animal, que traz reformas muito necessárias para as leis que protegem os animais (ou falta delas) em âmbito federal.

O projeto de Erskine-Smith moderniza as seções de crueldade contra animais do Código Penal, estabelece novos padrões para rotulagem de peles e traz uma proibição há muito aguardada sobre a importação de peles para dentro do Canadá.

Não é nenhum exagero afirmar que o país está atrasado décadas quando é comparado a outros locais no cuidado com o bem-estar animal. A utilização de peles de animais domésticos em roupas evidencia ainda mais este pensamento. Os Estados Unidos e a União Europeia proibiram as importações de peles de gato e cão há muito tempo, depois descobrirem o massacre brutal que milhões de animais domésticos sofreram para que suas peles pudessem ser utilizadas em vestuário e bugigangas.

A maior parte das peles de animais domésticos vêm da China, que não tem leis quando o assunto é bem-estar animal. Cães e gatos têm sido documentados vivendo em condições terríveis, gaiolas apertadas e imundas, além de serem sacrificados por estrangulamento e outros métodos desumanos de morte induzida. Muitas vezes suas peles são apenas um subproduto da indústria da carne de animais domésticos para consumo humano.

As peles de cães e gatos importadas para o Canadá não são vendidas em um único casaco, por exemplo. São normalmente encontradas em pequenas quantidades: as de cães são utilizados em capuzes e as de gatos em brinquedos ou luvas. A polícia de outros países tem apreendido carregamentos de casacos vindos do Canadá que dizem ser feitos com penas de ganso, mas que na verdade utilizam peles de gatos e cachorros.

Não podemos contar com a indústria de peles canadense para levantar a mão e admitir que existem problemas com a utilização de peles de animais domésticos. O lobby nesse meio também dificulta os esforços de rotular produtos com nome da espécie e país de origem das peles utilizadas. Talvez porque a indústria tenha medo que os rótulos irão ligar diretamente os produtos com os coiotes que tiveram suas mandíbulas arrancadas em armadilhas ou raposas que viviam em gaiolas minúsculas antes de serem mortas para a indústria da moda.

É por isso que as etiquetas podem fazer a diferença. Muitos canadenses estão usando cães e gatos em seus casacos de inverno sem notar. Leis que incentivem etiquetas mais claras podem ajudar a combater isso. O projeto de Erskine-Smith é um bom começo. A proibição de peles de cães e gatos, aliada a leis de rotulagem mais severas irão ajudar a prevenir que inúmeros animais sofram pela indústria da moda, além de proteger consumidores de serem enganados.

Esta nova lei é o primeiro passo de um longo caminho para trazer benefícios aos animais no Canadá. O parlamento é preenchido, desta vez mais do que nunca, por deputados e senadores amigos dos animais. Pode ser que o projeto de Erskine-Smith receba amplo apoio entre os partidos.

Vamos esperar que este seja o primeiro de muitos esforços legislativos para fazer do Canadá um líder mundial em proteção animal, em vez de o mais devagar do mundo neste quesito.

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Suprema Mestra Ching Hai

SMCH+3

O prêmio de Compaixão Mundial foi concedido em reconhecimento às brilhantes conquistas da Agência em informar o mundo do

Suprema Mestra Ching Hai
Líder mundial humanitária

Líder mundial humanitária

Marcelo Medici

Marcelo Medici (Foto: Divulgação)

Meu amor pelos animais é atávico, me foi passado pela minha mãe. A ANDA contribui para que esse amor seja passado a todo

Marcelo Medici
Ator

Ator

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: