ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Indústria da Morte

PL que proíbe importação de peles de animais é modificado, mas alteração se torna inútil

15 de fevereiro de 2016 às 21:05

Por Leticia Filpi – Redação ANDA

china cruel1

Divulgação

Em agosto do ano passado, o projeto de lei do deputado Felipe Bornier, o PL nº 5284/09, que proibia qualquer importação de peles de cães, gatos e animais silvestres, foi aprovado na Câmara dos Deputados, representando um avanço significativo na defesa dos direitos animais.

Entretanto, apesar da aprovação, o PL foi modificado pelo Projeto de Lei da Câmara – PLC 138/2015, que retirou toda a importância do original, uma vez que adicionou a expressão “sem certificação”, o que restringiu o alcance da norma. A alteração foi feita pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio.

O projeto original proibia a importação de qualquer tipo de pele de animal exótico, independente da origem. Já o substitutivo permite a importação de pele de animal exótico de origem certificada. Desse modo, a importação de produtos de origem animal com certificação continua normalmente permitida. O projeto original dizia o seguinte em seu artigo 1º:

PL 5284/09:
Art. 1º É vedada a importação de peles de cães, gatos e animais selvagens exóticos e de artigos delas derivados.

O modificado:
PLC 138/15: Art. 1º estipula a proibição da importação de pele de cães, gatos e animais selvagens exóticos sem origem certificada, bem como de artigos derivados.

A mudança não só retirou toda a efetividade do projeto original como foi absolutamente inútil. Mais uma vez, o congresso nacional, para privilegiar setores da economia, movimentou a máquina pública para fazer um trabalho totalmente ineficiente, afinal a importação de produtos de origem animal, dentre eles, peles sem certificação, já era proibida pelo Decreto 24.548/34, ainda em vigor no Brasil. Esse decreto regula o Serviço de Defesa Sanitária. Ou seja, a câmara acaba de regulamentar um fato que já está normatizado desde 1934!

hqdefault

Divulgação

Como se confere abaixo, o PLC 138/15 é praticamente uma cópia do referido decreto:

Dec.  24.548/34:  IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Art. 50. É proibida a importação de produtos de origem animal, quando não acompanhados de certificado sanitário fornecido por autoridade competente do país de procedência.

É notório que a indústria de peles é uma das mais cruéis existentes. Cães, gatos, chinchilas, raposas e outros animais são confinados em gaiolas insalubres, mal alimentados, sem espaço, sem adequação térmica e sem condições de higiene. Muitos são caçados nas florestas, já chegam ao cativeiro feridos e não recebem nenhum tipo de tratamento veterinário.  O assassinato é realizado através de pauladas, choques, machadadas, depelagem do animal ainda vivo, dentre outros métodos barbaramente primitivos.  Essas práticas são inerentes a essa indústria, de modo que, certificada ou não, a pele de animais é sempre produto de crueldade. A indústria de peles é antiética de qualquer forma. Por isso, a proibição total se faz necessária, e a parcial é completamente inócua.

O projeto, bem como sua alteração, segue agora para análise da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), o que será feito nesta terça-feira, dia 16/02.  Posteriormente à análise das Comissões técnicas interessadas, os dois projetos seguem para aprovação do Senado Federal, depois disso, caso aprovados sem novas modificações, seguem para sanção ou veto da presidente e final publicação.  Pelo processo legislativo, o veto da presidente pode ser derrubado pelo Congresso, de modo que ainda há algumas etapas a serem concluídas até o nascimento da Lei.

Ainda há tempo para que a sociedade pressione o Congresso e exija a aprovação do projeto original, uma vez que ainda não saiu da primeira etapa do processo legislativo, que é a Câmara dos Deputados. É preciso uma mobilização para derrubar a preferência dos setores econômicos em detrimento do meio ambiente. O projeto foi claramente modificado para atender o lobby da indústria de peles, que movimenta milhões de reais por ano, um setor altamente lucrativo, mas insustentável e cruel. O ordenamento jurídico brasileiro é claro ao adotar a sustentabilidade como um dos pilares das diretrizes econômicas do país, é válido conferir o artigo 170 da Constituição Federal:

TÍTULO VII – Da Ordem Econômica e Financeira
CAPÍTULO I

DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios:  I – soberania nacional;  II – propriedade privada;  III – função social da propriedade;  IV – livre concorrência;  V – defesa do consumidor; VI – defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação;(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)  VII – redução das desigualdades.

Assim não há mais espaço para a insustentável indústria de peles no país, de modo que necessário se torna derrubar o PLC138/15 como forma de respeitar aos princípios constitucionais e aos meios éticos de comércio e das relações na sociedade.

f9

Divulgação

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Giovanna Ewbank

giovanna_ewbank

Os animais são os seres mais puros que existem, eles não podem falar, mas seu olhar já nos diz tudo! Quem dera se todos

Giovanna Ewbank
Atriz

Atriz

Danilo Gentili

dani-gato

Quem não consegue se compadecer de um ser menor e, com covardia, rejeita e renega um animal indefeso e inocente, não con

Danilo Gentili
Apresentador, comediante, escritor e repórter

Apresentador, comediante, escritor e repórter

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: