ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Intoxicação aguda

Perigos do uso do amitraz e diagnósticos incertos

13 de outubro de 2009 às 11:30

Fabiana
ghatyh@yahoo.com.br

Por Davi Marski Filho

Sou o cuidador (a palavra ‘dono’ é horrorosa !) de uma pequena Cocker, com quase 10 anos de idade. Eu e minha esposa temos um grande amor e dedicamos muito carinho e atenção a este membro de nossa família. O nome dela é Estrela Marski.

De uma das vezes que ela foi fazer banho e tosa, ela voltou com pequenas feridas no dorso e posteriormente apresentou uma descamação, um eczema, com muita coceira. Achamos que fosse alguma alergia ao xampu utilizado, a levamos ao veterinário e este simplesmente deu uma injeção de anti-inflamatórios estereoides (um corticosteroide, na verdade, deu dexametasona).

Foto: S/C

Foto: S/C

Nada se resolveu e a levei a outro veterinário, que receitou banhos com xampu contendo peróxido de benzoíla a 2,5%. Comprei o tal xampu e realmente, após alguns banhos, a aparência dos machucados melhorou muito. Mas o pelo cresceu e decidimos enviar novamente para o banho e tosa para fazer uma tosa total. Ela foi inclusive com um bilhete alertando a provável alergia ao xampu utilizado por eles e pedi que utilizassem o “meu” xampu (que enviei junto com ela).

O médico veterinário veio pessoalmente devolver a Estrela em minha casa e disse que ela tinha sarna! E que o tratamento seria eu ir comprar em alguma agropecuária um tal de “amitraz” e dar banho nela com esse produto. Simples assim, sem explicar o que era, sem falar sobre os riscos ou sobre os efeitos colaterais.

Eu, na inocência, fui “na onda”…

No mesmo dia fui à uma agropecuária e o vendedor da loja me disse que havia um produto melhor que o amitraz, um tal de “Tiuran”, que seria mais moderno, mais seguro e, é claro, mais caro. Como eu queria dar o melhor tratamento possível para a minha amiga, comprei o Tiuran, li detalhamente a bula e apliquei durante cerca de 10 dias. Não houve nenhuma melhora aparente.

Ontem voltei à loja de produtos agropecuários e comprei então o remédio originalmente receitado pelo médico veterinário: o amitraz a 12,5%, do laboratório Biovet.  Amitraz é o nome do produto químico, comercialmente ele tem outros nomes, como, por exemplo, o Triatox.

Dei banho normalmente com o peróxido de benzoíla e apliquei o amitraz 12,5% diluindo 20 mL em 5 litros de água (era o que estava na receita). Banhei a Estrela e deixei secar naturalmente na sombra. No mesmo dia ela começou a passar mal. E foi piorando, piorando, piorando… Fui pesquisar na internet sobre o amitraz e nunca fiquei tão decepcionado com um atendimento médico como fiquei neste momento.

Foto: S/C

Foto: S/C

O amitraz é totalmente contraindicado para pacientes idosos, cardiopatas e diabéticos (não havia nada disso na bula), é altamente tóxico e hepatotóxico com, inclusive, risco de letalidade (apesar de baixa). Na verdade, o amitraz é um pesticida utilizado em rebanhos, na criação de cavalos, bois, para limpeza de ambientes e (pasmem!) para controle de carrapatos em cães e também para o controle de ácaros (sarnas). O que sei é algumas horas depois do banho, a Estrela ficou com os olhos fixos, sem coordenação motora, pupilas dilatadas, teve vômito, hipotensão, alteração na frequência respiratória e bradicardia. Eu só ficava cada vez mais revoltado.

Liguei para a clínica veterinária e ninguém atendia. A noite adentrou e ela dormiu. Passei a noite ao lado dela verificando os sinais vitais. A bradicardia havia melhorado e ela vomitou “apenas” duas vezes durante a noite. Saiu para beber água duas vezes. Eu, inocente, estava achando que ainda fazia parte dos efeitos colaterais do “remédio”. Ledo engano. O dia amanheceu e ela continuava letárgica, com midríase e voltou a ter respiração irregular.

Fui me aprofundar nas informações quanto ao tratamento da intoxicação por amitraz e descobri que o ideal seria encontrar antagonistas alfa-2 adrenérgicos. Para quem não sabe o que é isso, eu teria que encontrar o cloridrato de ioimbina ou o alpendazole. Isso envolve um bocado de fisiologia e bioquímica, não vou tentar explicar aqui. Telefonei para vários locais e não conseguia encontrar estes fármacos (já havia desistido de voltar à tal da clínica veterinária).

Fui em outro veterinário e ele queria aplicar sulfato de atropina (que na hora não tinha certeza se seria ou não um adrenérgico) e um hepatoprotetor com “efeitos antitóxicos”. Mas já não confiava em mais “ninguém”: voltei para casa e fui pesquisar mais a fundo (ainda) sobre os tratamentos possíveis para a intoxicação aguda pelo amitraz. Certamente ninguém teria mais amor, cuidado, carinho e preocupação em dar o melhor tratamento possível para a Estrela do que eu.

Decidi dar um banho com água morna e a Estrela ficou mais de 20 minutos com água correndo pelo corpo. Comprei e apliquei 5 mL intramuscular de mercepton, que possui alguns efeitos de proteção hepática, fiquei realmente com o cloridrato de atropina (a 1%) de “sobreaviso” e pronto para iniciar algum tratamento de suporte se fosse necessário.

Aos poucos ela foi melhorando, o fígado foi metabolizando o amitraz, o mercepton foi fazendo um pouco de efeito,etc.

O problema é que o mercepton possui glicose na sua composição e, no caso da intoxicação por amitraz, que provoca supressão da produção da insulina, a hiperglicemia só se agravou (mesmo ela não sendo diabética). Isso se comprovava pelas grandes quantidades de água que ela bebia.

Bom, meu desabafo é em virtude da falta de preparo ou descaso dos profissionais que justamente deveriam zelar pelo bem-estar dos animais. Se o profissional que me receitou o banho com amitraz tivesse me informado sobre os possíveis riscos de intoxicação, ou se a bula do medicamento falasse sobre isso (comprei o amitraz produzido pela Biovet), certamente eu teria procurado outras alternativas.

Hah, não acabei! Não sei como ele (o veterinário) pode ter dado o diagnóstico de sarna se sequer pediu ou fez um raspado de pele em busca dos ácaros. Poderia ser qualquer outra alteração cutânea. Agora eu sei que esta deveria ter sido a abordagem inicial de um profissional sério. (Como ele saberia se era sarna, fungo ou alguma dermatite? Só baseado no exame clínico?)

E pensar que tem veterinário que recomenda banhos com amitraz para controle de carrapatos! Tanta solução mais moderna e com menos riscos! O que sei é que o pouco que estudei de bioquímica, fisiologia e farmacologia (humana) me capacitam a ter um mínimo de espírito crítico para questionar essa forma de tratamento (péssima).

A Estrela agora está bem, passaram-se pouco mais de 24h desde o contato com o amitraz. Um pouco letárgica, mas está bem e pelo jeito ela não tem nem sarna demodécica nem sarna sarcóptica. Ela vive dentro de casa, não tem contato com outros animais e realmente seria difícil a contaminação, a não ser que ela tenha tido alguma contaminação cruzada justamente através das lâminas de tosa, no banho e tosa.

Tratamento que utilizei/poderia ter utilizado : 5 mL de Mercepton intramuscular e 0,01 ml/kg de sulfato de atropina a 1% (não usei, só deixei à disposição). Dei um banho de água morna durante 20 minutos para remover eventuais resíduos do pesticida que pudessem estar na pele.

Meu conselho: tenha um veterinário no qual você realmente confie. E se você estiver lendo este texto porque o Google te “mandou aqui”, não hesite em procurar um outro veterinário que possa lhe atender com seriedade e presteza. Para finalizar, eu vou comprar uma máquina de tosar e, de agora em diante, vou me encarregar dessa tarefa.

Atualização: Já se passaram três dias desde que a Estrela foi exposta ao amitraz. Ontem pela manhã notamos um pequeno sangramento através da uretra dela. Levamos imediatamente ao veterinário (em quem confiamos) e ele explicou que o epitélio da bexiga sofreu com o ação do amitraz e que, além disso, o sistema imunológico ficou debilitado, favorecendo o quadro de infecção do trato urinário que ela apresentava.

O tratamento foi o uso de um antibiótico/antimicrobiano (biofloxacino ou enrofloxacino) por 7 dias e também o uso de um diminuidor do tempo de coagulação, a hipovita K. Ele confirmou o uso do medicamento mercepton e também do antagonista adrenérgico (sulfato de atropina), na subsequência da exposição ao amitraz.

O mais impressionante foi ele olhar a lesão no dorso da Estrela e afirmar categoricamente que não era sarna e que claramente a lesão é causada por fungos (e não ácaros). Solicitou um exame de raspado de pele com cultura para saber exatamente de qual tipo ou classe de fungo se trata, para poder dar o atendimento específico.

Últimas informações sobre a Estrela:

A imunidade ficou tão baixa com a intoxicação que ela acabou desenvolvendo uma cistite nervosa, com sangue na uretra e tudo o mais. Agora está tratando com antibióticos e mais protetores hepáticos. Tudo por causa do tal do Amitraz.

“Educação, castração e adoção é a solução!”

Fonte: http://www.blog.marski.org/?p=1049

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Flávia Lippi

braços abertos

De todas as violências que sofremos, as que cometemos com mais frequência são as que cometemos contra nós mesmos. Nessa

Flávia Lippi
Jornalista, empresária e empreendedora social

Jornalista, empresária e empreendedora social

Mara Gabrilli

mara

Muito antes de me tornar gestora pública, quando ainda era presidente de uma ONG, meu trabalho já era pautado na cidadan

Mara Gabrilli
Deputada federal (PSDB/SP)

Deputada federal (PSDB/SP)

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: