ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Denúncia

Tutor alerta sobre medicamento antipulgas que matou seu cão

10 de janeiro de 2010 às 13:00

Eduardo Moraes Rego
eduardomoraesrego@yahoo.com.br

Gostaria de alertar quem tem animais sobre medicamento para matar pulgas, do tipo pipeta, mais precisamente um chamado PROMERIS DUO do laboratório Fort Dodge.

Até a manhã do dia 23/12/2009 eu tinha um atlético e brincalhão scottish terrier, que era a alegria da família. Então a minha esposa aplicou o remédio no dorso dele e foi trabalhar, como eu estava de dispensa natalina fui levá-lo num passeio na rua, que ele tanto gostava. Após caminhar um pouco ele começou a parar repetidas vezes, parecendo que ia cheirar alguma coisa, mal sabia eu que ele estava envenenado.. . Após fazer isto umas 3 vezes, eu estranhei e carreguei ele no colo, torcendo para que fosse uma indisposição e após colocá-lo no chão ele me olhou e não se movimentou, fiquei muito preocupado, peguei-o no colo e caminhei até a entrada do prédio rapidamente. Ao chegar na entrada do prédio coloquei-o no chão para ver se ele se animava, novamente me olhou com aquele olhar canino de quem necessita ajuda. Imediatamente peguei-o no colo, fui rápido para a portaria e pedi para minha filha descer com a chave do carro.

Em menos de 1 hora entre o momento em que foi aplicado o dito “medicamento” , o Lucky estava sendo atendido pelo veterinário da clínica Ypiranga em Laranjeiras, que após ouvir o ocorrido, e constatar o cheiro forte no dorso do Lucky, mandou-o tomar um banho para retirar o dito “medicamento” . Após o banho ele estava outro, brincando, pulando, super feliz, bem como eu e minha filha, mas o veterinário avisou que não sabia os efeitos possíveis, pois já poderia estar na corrente sanguínea dele o tal do “medicamento” .

Pois no mesmo dia Lucky passou mal, com dificuldades de respirar e de movimentar-se tendo que ser internado na clínica para receber soro e medicamento para combater o envenenamento. No dia 24/12 fui buscá-lo às 09:00 e ele estava totalmente cambaleante e arfante, a veterinária falou que ele tinha inclusive dado uma cambalhota na clínica (na realidade uma espécie de infarto) que havia preocupado e que ele não havia dormido. Ela foi muito atenciosa e passou uns remédios. Lucky retornou para a nossa casa como uma sombra, mal ficando em pé de cansaço e lutando para respirar, mas não se permitindo deitar, pois não conseguiria respirar e então morreria. Após ficarmos a manhã e à tarde ao seu lado nos revezando para não deixá-lo morrer, ele piorou, retornamos ao veterinário que constatou que ele era cardiopata, através de chapas e prescreveu mais remédios. Retornamos para a casa mais uma vez, haveria a festa de Natal, me dispeço da família e falo para todos irem, que eu ficaria em casa com o Lucky. Nada mais angustiante que ficar ao lado dele vendo a procura desesperada dele pelo ar, já sem dormir há quase 30 horas, envenenado, com os batimentos cardíacos acelerados e irregulares, e fraco, mas lutando pela vida, sem deitar, mostrando toda a sua fibra e valentia peculiares. Era de cortar o meu coração ver o sofrimento dele.. Só podia sustentá-lo, ficar do seu lado, afagar e orar pela sua melhora. Era quase meia-noite quando ele começou a respirar melhor e finalmente deitou apoiado nas almofadas que eu oferecia para suportar a sua cabeça e permitir uma respiração mais relaxada, foi o milagre que eu recebi de Natal, sua melhora.

Durante a semana seguinte, ele continuou a tomar todos os remédios pontualmente seja às 08:00, às 16:00, às 22:00 ou às 24:00, com o auxílio das minhas filhas e da minha esposa. Foi ao veterinário novamente, que observou a sua melhora progressiva. Estava mais sonolento e pacato, mas já queria brincar e me acompanhava pelos cômodos da casa, além de estar se alimentando normalmente.

No dia 31/12, fomos passar o ano-novo na casa de minha mãe, levamos o Lucky, que já estava aparentemente bem melhor, andando pela casa de minha mãe, se esfregando no tapete, cheirando as coisas, querendo brincar, voltou a latir avisando que alguém tocava a campainha, parecia estar muito bem, era a dita melhora da morte, onde o organismo usa todas as suas forças para a despedida final ser mais leve, ele então foi para o meu lado por volta das 18:00 deu um ganido e um pulo. Estava finda a sua vida, corri a abraçá-lo e a tentar a reanimação. Em vão.. Meu grande amigo havia partido numa noite de comemorações para que a sua passagem fosse mais amena para aqueles que ficam.

Peço que tomem cuidado com este “medicamento” e similares para que não tenham que passar por este tipo de perda.

Ass.: Eduardo Augusto Nóbrega de Moraes Rego
Cel: (21)-8706-0165 (se necessitar de qualquer esclarecimento)

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Lúcia Veríssimo

LV

Existe um ditado que diz: diga-me com quem ANDAs e te direi quem és. Então, se vc tá seguindo essa pegada, quer dizer qu

Lúcia Veríssimo
Atriz

Atriz

Ricardo Japinha

japinha

Depois de me tornar vegetariano, por princípios, considerando injusto ter que matar animais que teriam a vida toda pela

Ricardo Japinha
Baterista CPM22

Baterista CPM22

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: