• Compartilhe

Texto

Inconsciência

M. Officer defende o uso de peles: “os animais devem ser consumidos, até o osso”

09 de maio de 2011 às 12:30

(da Redação)

Carlos Méle: "Os animais de cativeiro são criados para esse propósito. Acho que tudo neles tem de ser consumido, até o osso". Foto: Charles Guerra/Agencia RBS

O estilista Carlos Miele, dono da grife M. Officer, fez, durante entrevista em Florianópolis (SC), onde esteve para participar do ciclo de palestras do Donna Fashion DC Iguatemi, uma das mais repulsivas declarações já dadas por um representante da moda brasileira.

Questionado sobre o uso de peles verdadeiras no vestuário, ele afirmou que “os animais de cativeiro são criados para esse propósito. Acho que tudo neles tem de ser consumido, até o osso. Não concordo com o uso de peles de animais selvagens. Mas acho essa discussão simples demais. Então, se não podemos usar peles de animais de cativeiro, temos de discutir se podemos continuar comendo peixes e carnes, por exemplo”.

Carlos Miele é o retrato da falta de consciência e ética na moda. A declaração é amoral diante do total descaso com a crueldade já bastante conhecida do mercado de peles, como pode ser constatada no vídeo abaixo. É com esse pensamento que Carlos Miéle que ampliar o alcance das suas marcas, M. Officer e a que leva seu nome, que atualmente são vendidas em 27 países para 40.

Veja o vídeo abaixo:

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Flávia Lippi

braços abertos

De todas as violências que sofremos, as que cometemos com mais frequência são as que cometemos contra nós mesmos. Nessa

Flávia Lippi
Jornalista, empresária e empreendedora social

Jornalista, empresária e empreendedora social

Suprema Mestra Ching Hai

SMCH+3

O prêmio de Compaixão Mundial foi concedido em reconhecimento às brilhantes conquistas da Agência em informar o mundo do

Suprema Mestra Ching Hai
Líder mundial humanitária

Líder mundial humanitária

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: