ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

São Carlos (SP)

Os dois lados da história do macaco Chico

08 de agosto de 2013 às 16:00

Por Fátima Chuecco (da Redação)

Foto: Divulgação/G1

Foto: Divulgação/G1

Quando se vive 37 anos no inferno fica difícil ter uma noção da cor e sabor de um paraíso. Uma corrente presa ao pescoço por tanto tempo, até mesmo na hora de tomar banho, não lembra em nada uma vida feliz e recheada de amor. Esse é o lado B da história de Chico (ou Carla, como passou a ser chamado depois que descobriram seu sexo). O lado A da mesma história mostra uma senhora de 71 anos, simples e que parece mesmo gostar do macaquinho a quem se refere como “filho”. Ela o criou desde filhote quando foi vítima de tráfico de animais silvestres e diz que o mantinha acorrentado para não fugir.

A questão não é julgar dona Elizete Farias Carmona, que vive em São Carlos (Interior de SP), mas observar as condições em que o macaco vivia e as que ele se encontra agora num santuário em Assis (também no Interior do Estado). Talvez Elizete realmente achasse que estava fazendo o melhor pelo bichinho, mas isso não lhe dá o direito de continuar mantendo-o noite e dia acorrentado. Após a apreensão do macaco-prego, houve uma cuidadosa averiguação de seu estado clínico e se constatou marcas fundas no pescoço provocadas pela coleira de couro, atrofia das pernas e quadril (devido à falta de movimento e alimentação inadequada), além de peso abaixo do normal.

Carla vivia acorrentada -  Foto:  Alan Schneider/Divulgação/G1

Carla vivia acorrentada – Foto: Alan Schneider/Divulgação/G1

Um dado interessante é que Carla destroçou a coleira assim que a mesma foi retirada de seu pescoço (vide foto) e, curiosamente, guardou os pedaços. Na reportagem exibida pela TV Record é também possível notar que a macaquinha leva as mãos diversas vezes até a coleira, como que querendo que a libertem dela. Era permitido que ela subisse em alguma árvore e também ficava num tronco ou muro da casa, mas sempre com uma corrente presa ao pescoço com cerca de um metro e meio de comprimento. Elizete contou na matéria da Record que a mantinha presa porque uma vez fugiu e derrubou tudo na cozinha de uma casa vizinha.

Passado o susto da mudança de local, Carla foi então colocada num viveiro com outros de sua espécie e, segundo o presidente da Associação Protetora dos Animais Silvestres de Assis (APASS), Aguinaldo Marinho de Godoy, ela está comendo e passando muito bem. À noite dorme numa casinha junto com outros macaquinhos. “Isso é um evidente sinal de socialização. Ela está muito tranquila, vocalizando vários sons, delimitando seu território, trocando carinhos com outros macacos com atitudes de “catação” (tipo procurando insetos nos pelos) e trocando alimentação com as demais macacas. Em nenhum momento gritou, agrediu, mordeu ou arranhou as demais macacas. É de chorar de emoção de ver a alegria dela acariciando as outras”, comenta.

Segundo o ambientalista, a vida em bando é característica da espécie de Carla. Existem bandos de 20 a 50 animais e viver sozinho é que pode ser complicado para eles. Ele diz que entende a afeição que Elizete criou pelo macaco, mas é preciso ver o que é melhor para o animal também: “Como ser humano tenho pena da família de São Carlos, contudo, fazemos de tudo para preservar a integridade dos animais e defender a declaração dos direitos universais do bem estar animal. Falando como técnico, não acho que um viveiro na casa da família de São Carlos poderia dar à Carla a qualidade de vida que ela está tendo aqui, junto de outros da sua espécie e podendo interagir com eles pela primeira vez na vida. Inclusive, ela está aprendendo a utilizar a cauda como quinto membro e já começou a pular de galho em galho. Isso antes não acontecia devido a restrição da corrente”.
Com relação à dieta de Carla, Aguinaldo diz que está administrando a proposta pela Superintendência do IBAMA e que é a mesma usada nos melhores zoológicos do Brasil e do Mundo: tem chicória, agrião, acelga, cenoura, beterraba, milho vede, pepino, berinjela, uva, coco e amendoim. Ele também esclarece que a macaquinha não será solta na natureza devido sua idade: “Ela foi encaminhada pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de SP e uma ordem judicial do Ministério Público de São Carlos. Fomos nomeados fiel depositário da macaca e qualquer decisão que tomarmos se dará somente com a orientação desses órgãos reguladores”.

Foto: Divulgação/G1

Foto: Divulgação/G1

A polêmica da decisão
A história de Chico (ou Carla) mexeu com os nervos das pessoas. Inicialmente, a comoção maior foi em favor de dona Elizete. Duas petições foram imediatamente divulgadas e colheram cerca de 15 mil assinaturas pedindo a devolução do animal à dona. A OAB de São Carlos também comprou a briga e busca obter a devolução judicialmente. Mas no calor da emoção inicial, especialmente provocadas pelas imagens vistas na TV que não mostravam o dia a dia do animal e nem argumentavam a respeito de seu bem estar, muitas pessoas deixaram de avaliar o lado B da história. O argumento maior das pessoas a favor de dona Elizete é de que são 37 anos vivendo com a macaquinha, mas é preciso ter em mente de que se trata de uma convivência mantida a base de corrente. O animal não teve chance de sair dali, de escolher outro caminho.

O certo teria sido Carla nem chegar às mãos de dona Elizete, portanto, o falho sistema de contenção do tráfico de animais silvestres tem grande parcela de culpa nessa história toda. Mas o importante agora é averiguar como está a macaquinha. Se dona Elizete realmente a ama como “filha” saberá reconhecer que ela está feliz, vivendo perto de outros de sua espécie e fazendo coisas que nunca teve oportunidade de fazer. Pessoas furiosas alegam nas redes sociais que é um crime tirar Carla de dona Elizete, mas não seria um crime ainda maior destruir essa alegria que Carla está tendo perto de sua vida terminar? Macacos-prego só vivem cerca de 40 anos. Não seria mais sensato deixar Carla desfrutar desse convívio com outros macacos no tempo que lhe resta?

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Janine Borba

Janine Borba

Dizem que quem não gosta de samba bom sujeito não é, pois eu acho que quem não gosta de bichos bom sujeito não é! Eu que

Janine Borba
Jornalista e apresentadora

Jornalista e apresentadora

Jair Cézar

vereador Jair Cezar

O respeito à vida é a base de qualquer projeto de lei ou obra que se planeje executar, essa compreensão tive com o passa

Jair Cézar
Vereador de Curitiba/PR (PSDB)

Vereador de Curitiba/PR (PSDB)

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: